PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Brasileiro bebe mais cerveja e lucro da Ambev cresce acima do esperado

XP e Bank of America comentam em relatórios que o crescimento nas vendas de cerveja superou expectativas

Venda de cerveja no terceiro trimestre pela Ambev surpreende analistas e ação atinge cotação máxima em 30 dias
28 de Outubro, 2021 | 01:12 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — Após divulgar um crescimento de 57,4% em seu lucro no terceiro trimestre, que totalizou R$ 3,7 bilhões, e um aumento (7,5%) acima do esperado no consumo de cerveja no Brasil, a fabricante de bebidas Ambev cravou, nesta quinta-feira (28), sua maior cotação em 30 dias.

O papel da companhia (ABEV3) atingiu a máxima de R$ 16,87, uma alta de 10,84%. O volume de negócios com as ações da Ambev está acima da média normal, superando R$ 900 milhões, por volta das 12h45 no pregão da B3.

Veja mais: O brasileiro anda bebendo mais cerveja na pandemia do que na Copa do Mundo

Antes da abertura da Bolsa, a Ambev divulgou que bateu recorde nos volumes de vendas registrados no terceiro trimestre, com crescimento de 7,7%, atingindo 45,7 milhões de hectolitros. As receitas da companhia cresceram 20,8% no período, totalizando R$ 18,5 bilhões.

PUBLICIDADE

Em relatório, a XP comentou o resultado apresentado pela indústria de bebidas. “A Ambev entregou outro trimestre com forte crescimento de receita, embora o câmbio e os preços altos das commodities ainda pressionem as margens, como esperado. Fomos surpreendidos por um crescimento anual de 7,7% nos volumes consolidados (+11% vs. estimativa da XP), principalmente devido a um desempenho melhor do que o esperado na unidade Cerveja Brasil (+9% anual e +19% vs. estimativa da XP), o que consideramos positivo dada a base de comparação mais difícil”, comentou a XP.

Veja mais: Depois de Gafisa, Ambev e Rossi Residencial viram alvo de pedidos de falência

O Bank of America também divulgou relatório sobre os dados da Ambev, destacando que o resultado veio melhor do que o esperado, refletindo a reabertura de bares em mercados expressivos como o Brasil, após as restrições impostas pela segunda onda da Covid-19 no segundo trimestre.

“Os volumes de cerveja no Brasil cresceram 7,5% na comparação anual”, diz o relatório do BofA, acrescentando que a aposta da Ambev no mercado premium da bebida contribuiu para o desempenho. O BofA disse ainda que o volume de vendas de cerveja no Brasil veio acima de sua estimativa e do consenso do mercado.

Mais uma vez, a estratégia da Ambev de entrega de bebidas por meio de sua plataforma online fez a diferença no resultado. “O Zé Delivery atendeu mais de 15 milhões de pedidos no terceiro trimestre, com uma tendência de crescimento no número de pedidos ao longo do trimestre”, destacou a fabricante de bebidas.

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.