Bitcoin rompe máxima histórica com interesse de empresas

Companhias aumentaram busca pela criptomoeda após preços caírem com medidas adotadas pela China contra o uso de ativos digitais

Maior participação de empresas no mercado cripto pode acelerar o processo de regulamentação do setor
Tempo de leitura: 2 minutos

Por Gino Matos para Mercado Bitcoin

São Paulo — No dia 20 de outubro, o bitcoin registrou nova máxima histórica de preço ao atingir a cotação de US$ 67 mil em algumas exchanges. A alta foi fortemente impulsionada pelo início das negociações do primeiro ETF dos Estados Unidos vinculado ao valor da criptomoeda, ofertado pela gestora ProShares e listado na Bolsa de Valores de Nova York.

Embora o impacto desse lançamento no valor do bitcoin estivesse sendo considerado pelo mercado, em 27 de setembro a gestora especializada em ativos digitais CoinShares já sugeria, em um de seus relatórios semanais, que um movimento de alta estava se aproximando com a entrada de capital de empresas, que se intensificou após as investidas da China contra o mercado de criptomoedas no país naquele período.

Em 11 de outubro, poucos dias após a amplificação dos rumores sobre a possível aprovação de um ETF de futuros de bitcoin nos EUA, a CoinShares informou em novo relatório que a entrada de capital em produtos de investimento relacionados à criptomoeda entre os dias 4 e 10 de outubro saltou para US$ 225 milhões - um aumento de quase 350% em relação à semana anterior.

O gráfico abaixo, publicado na plataforma de dados mercantis TradingView, mostra como o preço do bitcoin acompanhou o crescente interesse institucional pelo mercado de criptomoedas, apontando uma correlação com a valorização da moeda:

Bitcoin - Gráfico da Plataforma TradingViewdfd

Bruno Milanello, executivo de Novos Negócios no Mercado Bitcoin, maior plataforma para negociação de criptoativos da América Latina, diz que o movimento feito pelo capital institucional gera impactos significativos nos preços devido ao alto volume negociado por essas instituições, provocando um efeito manada sobre outros investidores.

Milanello concorda que é normal especialistas atribuírem a alta do bitcoin iniciada em 2020 aos investidores institucionais, mais precisamente à empresa de tecnologia MicroStrategy, a primeira com capital aberto a declarar publicamente seus investimentos em criptomoedas.

“É nítido o aumento de investidores institucionais dentro das nossas plataformas de negociação. Mês a mês, com forte aceleração a partir do segundo semestre de 2020, quando um grande movimento de investidores institucionais não financeiros liderados pela MicroStrategy anunciou a inclusão do bitcoin em suas tesourarias, vemos as empresas brasileiras iniciando suas estratégias em cripto”, conta.

Para o executivo do Mercado Bitcoin, a presença institucional no mercado de criptomoedas tem efeito não apenas sobre o preço, mas também se reflete nos serviços ofertados nesse ramo. Ele cita os serviços de custódia, pesquisa e análise de dados como exemplos de áreas que buscam expansão para melhor atender a demanda institucional.

Regulamentação

Há quem, como a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), acredite que mais olhos se voltarão para o mercado de criptomoedas a partir da regulamentação do setor. Para Milanello, a entrada de capital institucional pode impulsionar o processo de criação de normas claras para empresas que oferecem serviços relacionados a moedas digitais.

Os reguladores, vendo a entrada de grandes instituições e percebendo o poder que elas têm de influenciar o mercado, terão um interesse maior em supervisionar e tentar proteger os investidores de varejo, avalia o executivo do Mercado Bitcoin. Desta forma, o aumento na presença de instituições no mercado de criptoativos se mostra positivo em mais de uma frente.

A aprovação de novos ETF, em especial aqueles lastreados no preço do bitcoin no varejo, guardam potencial para promover uma disparada ainda maior na cotação da criptomoeda em valor de mercado, aguçando a curiosidade de mais investidores institucionais e beneficiando outros serviços desse segmento.

Mercado Bitcoin

Mercado Bitcoin

A maior plataforma de criptomoedas da América Latina