promo
Negócios

Brasileira Ebanx adquire startup de pagamentos Juno para ampliar serviços

Só em 2020, a Juno processou R$ 4,7 bilhões, com uma média de 200 mil transações diárias

Tempo de leitura: 1 minuto

Miami — O Ebanx, plataforma brasileira de pagamentos internacionais, anunciou nesta quarta-feira (27) a aquisição da Juno, startup brasileira também do ramo de pagamentos.

“A Juno tem ótimos talentos, e acreditamos que esta é uma grande aquisição para o Ebanx e para nossa estratégia no futuro”, disse Wagner Ruiz, cofundador e diretor de risco do Ebanx.

O Ebanx atua como processadora de pagamentos para empresas internacionais na América Latina, como Amazon, Uber e Spotify, que tradicionalmente só aceitariam cartões de crédito internacionais. “O Spotify é um cliente, então quando você paga o Spotify no Brasil, você faz o pagamento por meio do Ebanx”, disse Ruiz. A empresa, lançada em 2012, atualmente aceita mais de 150 tipos de pagamento diferentes em 15 países da América Latina.

“Mais de 70 milhões de latino-americanos fazem pagamentos por meio do Ebanx”, disse Ruiz.

Veja mais: Multinacionais abrem inscrições para programa de trainee no Brasil para 2022

No início deste ano, a empresa levantou US$ 430 milhões da empresa de private equity Advent. O Ebanx continua sendo uma empresa privada avaliada pela última vez em US$ 1 bilhão em 2019, segundo a Pitchbook. Fala-se de uma possível IPO no futuro.

A Juno é uma instituição de pagamento licenciada pelo Banco Central do Brasil que oferece faturamento para PMEs (pequenas e médias empresas), banco como serviço, emissão de cartões Visa, entre outros serviços.

“A Juno traz consigo mais de 35 mil PMEs do Brasil”, disse Ruiz.

Só em 2020, a Juno processou R$ 4,7 bilhões – representando um crescimento de 130% ano a ano – e 200 mil transações por dia, disse Ruiz.

Além de muito mais negócios, a aquisição também trará 200 funcionários para o Ebanx, aumentando o quadro de funcionários para 1,2 mil.

A Bloomberg Línea perguntou a Ruiz se o Ebanx planeja entrar em outros países semelhantes na região, ou simplesmente dimensionar a Juno para atender seus outros 14 países; Ruiz disse que ainda não decidiu sua estratégia.

“Estamos observando outros locais onde enxergamos a necessidade. Esta é a estratégia que estamos desenvolvendo; ela vai nos ajudar em outros países também”, disse.

Leia também

Nubank desiste da Nasdaq e escolhe bolsa de Nova York para IPO: Fonte

Marcella McCarthy

Marcella McCarthy (Brasil)

Jornalista americana/brasileira especializada em tech e startups com mestrado em jornalismo pela Medill School na Northwestern University. Cobriu America Latina, Healthtech e Miami para o TechCrunch e foi fundadora e CEO de um startup Americano na área de EdTech. Baseada em Miami.