promo
Mercados

Veterano dos metais aposta em mina de cobre e ouro no Equador

Mineradoras globais buscam atender à crescente demanda por metais como cobre e níquel, que devem impulsionar a transição mundial para a energia limpa

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Malcolm Norris, um veterano da indústria de mineração, diz que um projeto de ouro e cobre no norte do Equador pode chamar a atenção de gigantes mundiais.

Norris observa um maior interesse de investidores institucionais no projeto El Palmar desde que sua empresa de exploração Sunstone Metals comunicou uma descoberta significativa à bolsa de valores australiana em 7 de outubro. Isso se refletiu no preço das ações, que quase triplicaram de preço em relação ao nível de fechamento em 6 de outubro.

“A oportunidade de realizar uma grande descoberta está aí, requer apenas mais perfurações de nossa parte”, disse Norris em entrevista por telefone da seda da empresa em Brisbane. “Esperaria que, se fizermos a descoberta que achamos que temos, será do interesse de algumas das grandes mineradoras.”

Mineradoras globais buscam atender à crescente demanda por metais como cobre e níquel, que devem impulsionar a transição mundial para a energia limpa. Em um sinal da importância de garantir recursos, a BHP negocia a compra de um projeto de cobre na República Democrática do Congo, uma grande reversão da política da maior mineradora do mundo de evitar jurisdições arriscadas.

A descoberta da Sunstone está localizada perto do prospecto de cobre e ouro de Cascabel, que está sendo desenvolvido pela SolGold, que inclui BHP e Newcrest Mining entre os principais interessados. Norris era diretor-gerente da SolGold na época da descoberta de Cascabel e sua confiança no El Palmar deriva do fato de fazer parte do mesmo cinturão geológico.

Norris está ciente dos riscos de operar em países em desenvolvimento. Ele liderou uma equipe na Intrepid Mines que desenterrou o gigantesco depósito de cobre e ouro de Tujuh Bukit na Indonésia, mas a empresa perdeu o controle de sua participação de 80% no projeto em 2012 para uma empresa local.

Ainda assim, Norris busca dissipar qualquer percepção do Equador como politicamente instável, dizendo que tal visão está desatualizada. O presidente equatoriano, Guillermo Lasso, que assumiu o poder em maio, é um ex-banqueiro que apoia o setor de mineração. “O Equador precisa fazer sua economia crescer, e ele consegue ver que a indústria de mineração pode melhorar significativamente o PIB”, disse Norris.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Quebra do teto de gastos traz pressão por alta maior da Selic