PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Governo admite possibilidade real de faltar insumos no Brasil

Ministério da Agricultura reconhece que primeiros sinais de escassez começaram a aparecer em maio deste ano e que a segunda safra de grãos pode ser a mais comprometida

Risco de escassez de fertilizantes e defensivos pode gerar mais impactos na segunda safra de grãos no Brasil, em especial na produção de milho
22 de Outubro, 2021 | 02:44 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O Ministério da Agricultura admitiu hoje que a escassez de defensivos agrícolas e fertilizantes é uma possibilidade real ainda para a safra 2021/22, que começa a ser plantada no Brasil. Os primeiros sinais da falta de matérias-primas começaram a aparecer nos meses de maio e junho deste ano, indicando que as indústrias poderiam ser impactadas e ter dificuldades em entregar os produtos a tempo e nas quantidades esperadas pelos produtores.

O sentimento do governo brasileiro é que para o plantio que está sendo realizado desde o final de setembro e início de outubro não haja problemas de desabastecimento. Contudo, as atenções se voltam para a segunda safra, quando o plantio ocorre no final do ano e início do próximo.

PUBLICIDADE

Veja mais: ‘Apagão’ de insumos coloca em risco safra agrícola do Brasil

“No caso dos fertilizantes, o cenário é real de eventual falta, não para essa primeira safra de verão, mas sim para as safras seguintes. Nos defensivos, também há uma possibilidade real. Na primeira safra de verão a gente não observou nenhuma situação extremamente relevante. É possível que tenha ocorrido alguma falta? É, mas não chegou aos nossos ouvido”, disse Carlos Goulart, diretor do departamento de sanidade vegetal e insumos agrícolas do Ministério da Agricultura, durante uma audiência pública da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

Por que está faltando insumos?

A falta de insumos, especialmente de defensivos, está diretamente relacionada aos problemas de energia na China. Com uma necessidade de importar 76% dos ingredientes ativos utilizados nas formulações dos químicos utilizados na agricultura, a China é, sozinha, responsável por garantir 32% da importação. Estados Unidos e Índia são outras duas importantes origens, com 11% do fornecimento cada.

PUBLICIDADE

Com a necessidade dos chineses em cumprir as metas climáticas do acordo de Paris, muitas províncias do país asiático onde estão instaladas as fábricas que produzem as moléculas químicas passaram a ter um acesso limitado à energia, reduzindo a oferta. Aliado a esse fator pode ser incluído ainda a diminuição das rotas marítimas por conta da pandemia e a menor disponibilidade de contêineres para o transporte das cargas.

Veja mais: Brasil pode sofrer “apagão” de insumos na próxima safra

Diante do quadro e da importância que a China tem no mercado, o próprio Ministério da Agricultura reconhece a necessidade de se manter relações comerciais saudáveis com o país. “Esse não é um problema só do Brasil. A China é uma fábrica de ativos para o mundo. A gente tem que trabalhar em um relacionamento bilateral com a China para que, se for faltar, falte o menos possível [para o Brasil]”, disse Goulart.

Falta de transparência

Principais prejudicados pelo “apagão” de insumos, os agricultores acusam os demais elos da cadeia de falta de transparência e comunicação. “Fica claro para nós, se olharmos para a logística de uma molécula, isso era esperado desde o ano passado. Na verdade, o que faltou foi diálogo e transparência de que realmente iria acontecer o problema”, afirma Fabrício Rosa, diretor-executivo da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja), ao lembrar que as empresas disseram que não faltaria produto.

As indústrias se defendem. Para Christian Lohbauer, presidente da CrofLife Brasil, uma conjunção de fatores negativos criou o que ele chamou de “tempestade perfeita”. “Não dava para prever. Poderia se ter uma ideia de que poderia haver escassez, mas uma combinação tão grande de fatores negativos ao mesmo tempo não tem como prever. Temos que lidar de forma serena”, afirma.

Leia também

Brasília em Off: A mágoa de Guedes com a saída de Funchal e equipe

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE