PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Bolsonaro confirma auxílio de R$ 400, mas diz que não vai furar teto de gasto

O presidente afirmou que o governo tem compromisso com programa social e que não vai fazer loucuras com o orçamento

Presidente diz que governo tem compromisso com programa social e que não vai fazer loucuras com o orçamento
20 de Outubro, 2021 | 12:54 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O presidente Jair Bolsonaro disse hoje durante evento no Ceará que o novo Auxílio Brasil será de R$ 400, mas afirmou que isso não vai furar o teto de gastos, informou a Bloomberg News.

O presidente afirmou que o governo tem compromisso com programa social e que não vai fazer loucuras com o orçamento, mas não explicou a fonte de recursos para financiar o aumento do benefício.

PUBLICIDADE

“Ontem, decidimos dar uma majoração para o antigo Bolsa Família, agora chamado Auxílio Brasil, de R$ 400″, afirmou.

O governo chegou a planejar o anúncio da medida na noite de terça, mas cancelou o evento na última hora. A preocupação com o estouro do teto de gastos motivou baixa de mais de 3% no Ibovespa e levou o dólar a R$ 5,60.

No evento no Ceará, o presidente disse ainda que não tem “culpa de absolutamente nada”, se referindo à CPI do Senado que investiga ações do governo federal durante a pandemia. “Sabemos que fizemos a coisa certa desde o primeiro momento”, disse.

PUBLICIDADE

O relatório final da CPI está sendo apresentado no Senado e pede o indiciamento do presidente Bolsonaro por crime contra a humanidade.

Veja mais: Aqui estão os principais pontos do relatório da CPI da Pandemia

Logo após as falas do presidente, a assessoria do Ministério da Economia informou que o chefe da pasta, Paulo Guedes, teria cancelado sua ida para São Paulo hoje (20), e ficaria em Brasília para despachos internos.

(Atualiza com informações sobre a agenda de Paulo Guedes)

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE