PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Auxílio fora do teto contraria responsabilidade fiscal, diz diretor da IFI

Felipe Salto criticou proposta de pagar R$ 300 por dentro e R$ 100 ‘por fora’ do teto: ‘País que não consegue ter uma gestão equilibrada de contas não cumpre suas obrigações’

Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente
19 de Outubro, 2021 | 02:35 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

A perspectiva do governo prorrogar o auxílio emergencial de R$ 400 por mês, sendo parte deste valor fora do Teto de Gastos, causa instabilidade no ambiente das contas públicas do país. A avaliação é do diretor-executivo da IFI (Instituição Fiscal Independente, órgão do Senado Federal), Felipe Salto.

“A proposta ainda não foi apresentada, mas pelo que conhecemos, de R$ 300 dentro do teto e R$ 100 por fora, é claramente contrária a qualquer princípio de responsabilidade fiscal”, afirmou Salto em entrevista à Bloomberg Línea nesta terça (19).

PUBLICIDADE

Nesta terça, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, deve haver uma cerimônia às 17h de hoje para anunciar o substituto do Bolsa Família.

Veja mais: Auxílio deve ficar em R$ 400, sendo parte fora do teto: Fontes

Para manter-se fora do teto, o programa deve ter caráter temporário a 17 milhões de famílias. O custo deve superar R$ 80 bilhões. O atual Bolsa Família custa R$ 34 bilhões por ano.

PUBLICIDADE

A proposta da equipe econômica era a criação do Auxílio Brasil, um programa de caráter permanente, financiado pela tributação de dividendos prevista na reforma tributária, que está no Senado – o texto passou pela Câmara, mas o relator no Senado, Ângelo Coronel (PSD-BA), disse que é contra a tributação de dividendos.

“Há dois pratos que precisam ser equilibrados – um é o da Lei de Responsabilidade Fiscal e o outro do Teto de Gastos. O artigo 24º da LRF prevê que é possível ao governo recompor perdas de programas sociais sem uma fonte nova, até daria para respeitar a lei, mas o governo preferiu ir pela via da criação de um programa social novo, por uma questão política”, disse o economista.

Veja mais: Brasília em Off: Temor é que auxílio dure até o final de 2022

Segundo ele, o governo teria espaço fiscal para obter ao menos R$ 16,1 bilhões de espaço fiscal, sem ferir a lei, se considerasse o valor – que é devido aos Estados por precatórios referentes ao antigo Fundef (programa de financiamento do ensino fundamental dos anos 1990 e 2000, anterior ao Fundeb) – como extrateto.

PUBLICIDADE

“Não haveria problema, porque a Emenda 95 permite essa válvula de escape já que Fundef se enquadraria no extrateto por previsão constitucional, assim como o Fundeb. Isso abriria R$ 16,1 bilhões em espaço, mas isso não é o que o governo quer para, além do programa social, também o pagamento de emendas”, analisou.

Veja mais: Atividade econômica brasileira encolheu 0,15% em agosto, mostra IBC-Br

PUBLICIDADE

Ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), um dos principais aliados do presidente Jair Bolsonaro, criticou quem pensa “só em teto de gastos, responsabilidade fiscal (...) em detrimento da população”. A declaração foi dada à revista Veja.

“É muito preocupante a declaração do presidente da Câmara porque ajuda a reforçar que existiria uma contraposição entre responsabilidade fiscal e políticas sociais – o que não é verdade. Um país que não consegue ter uma gestão equilibrada para as contas públicas não consegue cumprir suas obrigações constitucionais”, disse Salto.

PUBLICIDADE

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) dos Precatórios está na Câmara dos Deputados. “O relator Hugo Motta (Republicanos-PB) tenta fugir ao argumento do calote, ao limitar a emissão de precatórios. A proposta limitaria a R$ 40,5 bilhões o pagamento de precatórios, mas R$ 48,6 bilhões ficaram de fora”, disse.

Na Lei de Diretrizes Orçamentárias enviada ao Congresso esse ano, o gasto com precatórios em 2022 ficou estimado em R$ 89,1 bilhões.

PUBLICIDADE

“Uma possibilidade seria o chamado encontro de contas – o precatorista poderia usar o precatório para abater débitos tributários que tem com o governo, mas não fica claro se isso será feito dentro ou fora do teto”, disse Salto.

Neste vídeo, a Bloomberg Línea explica o que são precatórios:

PUBLICIDADE

Leia também

Os faria limers estão voltando aos escritórios com o aluguel mais caro

PUBLICIDADE

Estas são as cidades onde o custo de vida ficou mais caro do que no resto do país

Centrão abandonou Paulo Guedes no plenário, diz deputado do Novo

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.