Agro

JBS se aproxima de US$ 2 bilhões com aquisições em 2021

Com aquisição da americana Sunnyvalley por US$ 90 milhões anunciada hoje (15), grupo brasileiro já chega ao seu quinto negócio no ano, com compras na Europa, EUA e Austrália

Maior empresa de processamento de proteínas do mundo anunciou seu quinto negócio do ano
15 de Outubro, 2021 | 12:57 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A JBS anunciou nesta sexta-feira (15) mais um aquisição em sua histórica jornada de compras de empresas pelo mundo. O nome da vez é a americana Sunnyvalley Smoked Meats, empresa de 31 anos que desenvolve produtos à base de carne suína, como bacon defumado e presunto, e também de aves, como peito de peru.

Com o negócio, grupo brasileiro dá mais um passo para se aproximar dos consumidores finais, uma vez que a empresa americana atua tanto no atacado quanto no varejo, com a marca Sunnyvalley. O negócio foi fechado por US$ 90 milhões junto à Swift Prepared Foods, uma subsidiária da JBS.

Essa foi a quinta aquisição anunciada pela JBS apenas neste ano. Com isso, a companhia mantém o ritmo de comprar uma empresa a cada dois meses em 2021, tendo desembolsado quase US$ 2 bilhões ao longo de dez meses. Para efeitos comparativos, no ano passado a JBS anunciou apenas dois grandes negócios, uma participação acionária na Empire Packing por US$ 238 milhões em fevereiro, e as operações de margarina e maionese da Bunge, em novembro, por um valor não informado.

Com pouco espaço para crescer pelo mundo no processamento de proteínas animais, a JBS tem concentrado suas atenções nos elos seguintes da cadeia, especialmente em produtos que agreguem algum tipo de valor em seus negócios, do que simplesmente vender carne bovina, de frango e suína in natura. Além disso, a companhia tem buscado oportunidades em regiões onde sua presença ainda não é tão percebida. Pouco mais de 70% das aquisições realizadas neste ano ocorreram em dois negócios na Europa.

PUBLICIDADE

Veja mais: Brasil ainda não sabe se China aceitará carne exportada em setembro

O maior negócio do ano, até agora, foi a compra das operações de alimentos preparados e refeições da Kerry Consumer Foods no Reino Unido e na Irlanda. Liderada pela subsidiária americana de aves, Pilgrim’s Pride, a compra foi fechada por US$ 952 milhões. Ainda na Europa, a JBS comprou 100% das ações da Vivera por US$ 395 milhões, empresa com base na Holanda, mas presença na Alemanha e Reino Unido. A compra da Vivera alavancou a presença da JBS no mercado de produtos à base vegetal, uma vez que a Vivera é a terceira maior fabricante desse tipo de produtora na Europa.

Os demais 30% do capital investido em aquisições foi direcionado para a Austrália, região onde a empresa ainda encontra espaço para crescer no abate e processamento de algumas proteínas. A JBS pagou US$ 135 milhões pelas operações da Rivalea e assumiu de vez a liderança no processamento de carne suína no país. A grande novidade do ano também veio da Austrália, com a compra da Huon por US$ 315 milhões, segunda maior empresa de aquicultura de salmão do país, marcando a estreia em um segmento onde a JBS ainda não estava.

Leia também

PUBLICIDADE

EUA permitem entrada de estrangeiros vacinados a partir de 8 de novembro

Eduardo Leite: “Não ser candidato à reeleição ajudará o país a fazer as reformas”

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE