promo
Negócios

Varejistas devem decepcionar clientes nas festas de fim de ano

Estudo aponta que escassez de mão de obra é um dos principais fatores para oferta insuficiente de produtos para a temporada de festas

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Varejistas estão tentando manter uma perspectiva animadora, apesar das pressões iminentes sobre a próxima temporada de festas, incluindo escassez de trabalhadores e interrupções na cadeia de abastecimento, segundo novo relatório.

Os resultados oferecem uma visão preocupante do que o setor pode enfrentar durante a importante temporada de festas de fim de ano, à medida que os varejistas tentam retomar os negócios em lojas físicas, que foram prejudicados pela pandemia. Mais da metade dos entrevistados disseram que terão falta de pessoal pelo menos um dia na semana no fim do ano, enquanto quase 90% esperam que haja menos funcionários em loja do que o necessário, pelo menos uma vez por mês.

A maioria dos entrevistados relatou que as pessoas simplesmente não parecem tão interessadas em trabalhar no varejo atualmente. Eles também apontaram para desafios específicos, incluindo salários baixos e medo de pegar Covid-19.

Mas o problema não está apenas em novas contratações, reter os trabalhadores também pode ser difícil, segundo o estudo, que entrevistou 312 gerentes de lojas, proprietários e executivos entre o final de agosto e o início de setembro. Cerca de 84% dos varejistas disseram esperar que pelo menos um funcionário se demita voluntariamente por mês. As contratações temporárias desta temporada são essenciais para chegar ao final de dezembro, mas ainda mais importante é preencher os cargos permanentes, de acordo com os varejistas.

As questões de pessoal estão tendo um impacto nas finanças das empresas. Mais de dois terços estão tendo dificuldades para cumprir as metas de vendas devido a problemas de mão de obra.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

EUA: pedidos de seguro-desemprego atingem nível mais baixo desde março de 2020

Empresas rolam dívidas e Brasil pode viver crise de inadimplência em 2022