promo

Petróleo supera US$ 81 com maior demanda e crise de energia

Preços de combustíveis como carvão e gás natural sobem na Europa e na Ásia diante da redução dos estoques antes da temporada de maior demanda por aquecimento

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O petróleo ultrapassou US$ 81 o barril em meio à crise global de energia que aumenta a demanda antes do inverno no hemisfério norte.

Os futuros do petróleo WTI (West Texas Intermediate) chegaram a subir 2,7%, para o nível mais alto desde outubro de 2014. E os preços de combustíveis como carvão e gás natural sobem na Europa e na Ásia diante da redução dos estoques antes da temporada de maior demanda por aquecimento, o que leva à procura por derivados de petróleo como diesel e querosene.

A estrutura do mercado de petróleo também sentiu a pressão nos últimos dias, um sinal das crescentes apostas de alta entre operadores. A diferença entre os dois contratos mais próximos do WTI para entrega em dezembro superou US$ 8 o barril na segunda-feira, o maior nível desde 2014.

O barril de referência dos EUA acumula alta de cerca de 30% desde meados de agosto em meio ao agravamento da crise de energia.

A Saudi Aramco estima que a escassez de gás já aumentou a demanda por petróleo em cerca de 500 mil barris por dia, enquanto o Goldman Sachs vê o consumo subindo ainda mais.

A migração da demanda de gás para o óleo também é evidente no aumento dos lucros com a produção de diesel e óleo combustível para refinarias na Europa.

“As margens das refinarias estão subitamente saudáveis novamente”, disse Bjarne Schieldrop, analista-chefe de commodities da SEB. “Isso é demanda real por petróleo.”

Ainda assim, há possibilidade de que os sinais de desaceleração do crescimento global - em parte por causa dos maiores preços da energia - aliviem parte da pressão da demanda sobre o petróleo.

O Goldman cortou as previsões para o crescimento da economia dos EUA neste ano e no próximo, devido ao atraso da recuperação dos gastos do consumidor. A crise de energia na China e na Índia também pode levar a um desaquecimento econômico na Ásia.

Veja mais em bloomberg.com