Estilo de vida

Quem é o brasileiro mais perto de entrar no clube dos US$100 bi

Pessoa mais rica da Ásia, Mukesh Ambani, foi a mais recente a alcançar a marca

Fortuna do empresário de 50 anos equivale a 1,06% do PIB dos Estados Unidos
10 de Outubro, 2021 | 09:52 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — A pessoa mais rica da Ásia, Mukesh Ambani, foi a mais recente a ingressar no clube de empresários com uma fortuna acima de US$ 100 bilhões. O presidente da empresa indiana Reliance Industries juntou-se na sexta-feira (8) à lista de 11 homens que alcançaram esse patrimônio, segundo o Índice Bloomberg Billionaires, e ao qual nenhum latino-americano pertence ainda.

Elon Musk, fundador da Tesla e da SpaceX, é de longe o líder nesta categoria, com uma fortuna de US$ 222 bilhões, sendo o homem com a riqueza que mais cresceu neste ano - uma alta de US$ 52,4 bilhões.

A fortuna do empresário de 50 anos equivale a 1,06% do PIB dos Estados Unidos. O comportamento das ações da Tesla, que cresceram 7,64% até agora neste ano, o impulsionou na lista e permitiu que fosse o única a romper a barreira dos US$ 200 bilhões no final de setembro.

Porém, além do comportamento da montadora de carros elétricos na bolsa, seu ímpeto se deve à SpaceX, que atingiu a valorização de US$ 100 bilhões sexta após a venda de ações no mercado secundário, segundo a Bloomberg.

PUBLICIDADE

O negócio permitiu a Musk adicionar US$ 10,6 bilhões a sua fortuna, embora três quartos de sua riqueza tenham vindo graças a Tesla.

As três primeiras posições do ranking de fortunas pertencem a Jeff Bezos, com US$ 191 bilhões e que faturou US$ 549 milhões no ano, e Bernard Arnault, dono do grupo LVMH, com US$ 156 bilhões e aumento de US$ 41,2 bilhões desde Janeiro. O fundador da Amazon sofreu com a estagnação das ações da empresa, que caíram -2,69% nos últimos seis meses.

Veja mais: Quem são os 181 brasileiros da lista dos 500 da Bloomberg Línea?

O brasileiro e latino-americano mais próximo

As 500 pessoas mais ricas adicionaram US$ 742 bilhões às suas fortunas este ano, de acordo com o índice Bloomberg, e os grandes empresários latino-americanos estão familiarizados com essa tendência. O mais próximo do clube de US$ 100 bilhões é o mexicano Carlos Slim.

PUBLICIDADE

O empresário, que controla a América Móvil, maior operadora de telefonia móvel da América Latina, tem um patrimônio avaliado em US$ 62,2 bilhões e está na 18ª posição no Índice Bloomberg Billionaires. Esse número equivale a 0,297% do PIB dos Estados Unidos ou 15,7% das 100 maiores bolsas universitárias concedidas no país.

Slim acrescentou US$ 5,85 bilhões à sua fortuna até agora neste ano. Segundo a Bloomberg, também tem participações em bancos comerciais, no jornal norte-americano New York Times e no setor de construção por meio do Carso Group.

Veja mais: Bloomberg Línea lança lista com os 500 mais influentes da América Latina

Para encontrar outro latino, é preciso chegar à posição 88, onde está o brasileiro Jorge Paulo Lemann, com uma fortuna de US$ 20,5 bilhões. O empresário tem parte do controle da Anheuser-Busch InBev, maior fabricante de cerveja do mundo.

Além disso, é sócio de Marcel Telles e Carlos Sicupira, com quem também tem participação na Kraft Heinz e na Restaurant Brands International, empresa por trás do Burger King. Desde janeiro, sua fortuna caiu 13,9%, equivalente a US $ 3,32 bilhões.

Depois de Lemann, está a empresária latino-americana com a maior fortuna: Iris Fontbona, que é a chefe da família mais rica do Chile, com uma fortuna de US$ 20,5 bilhões. No ano, faturaram US$ 272 milhões e controlam a mineradora Antofagasta, uma das maiores produtoras de cobre do mundo.

PUBLICIDADE

Além disso, de acordo com a Bloomberg, possui uma participação no Banco de Chile; Invexans, fabricante de cabos e produtores de cobre; CSAV, uma empresa de navegação; e a cervejaria CCU.

Leia também

Ataques cibernéticos disparam e danos podem ultrapassar US$ 6 trilhões em 2021

Carlos  Rodríguez Salcedo

Carlos Rodríguez Salcedo

Periodista colombiano, especializado en economía. Fui periodista y editor del diario La República, con experiencia en temas macroeconómicos, empresariales y financieros. Además, pasé por la agencia de noticias Colprensa.