PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Goldman Sachs corta previsão de crescimento dos EUA para 2022

Economistas esperam reabertura mais lenta e uma economia reprimida mais duradoura

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os economistas do Goldman Sachs cortaram a previsões para o crescimento dos EUA neste ano e no próximo, responsabilizando a recuperação atrasada nos gastos do consumidor.

A equipe do Goldman, liderada por Jan Hatzius, disse em um relatório neste domingo (10) que agora espera um crescimento de 5,6% na base anual em 2021, contra a estimativa anterior de 5,7%, e de 4% em 2022, ante 4,4%. As quedas foram compensadas principalmente por atualizações em suas projeções para os dois anos seguintes.

PUBLICIDADE

Veja mais: Quem é o brasileiro mais perto de entrar no clube dos US$100 bi

“Depois de atualizar nossas estimativas dos principais impulsos de crescimento do consumo - reabertura, estímulo fiscal, economia reprimida e efeitos patrimoniais - e incorporar um vírus mais duradouro aos gastos com serviços ao consumidor sensíveis a ele, agora esperamos uma recuperação mais lenta nos gastos do consumidor“, disseram os economistas.

Isso, junto com a suposição de que o fornecimento de semicondutores não melhorará até o segundo semestre do próximo ano e que o reabastecimento de estoque será adiado, “sugere uma recuperação mais prolongada do que esperávamos”, disseram eles.

PUBLICIDADE

Em última análise, eles disseram que os dois principais desafios para o crescimento no médio prazo são a desaceleração do apoio fiscal e a necessidade de os gastos com serviços aumentarem com rapidez suficiente para compensar a queda nas compras de bens.

Leia também

Chegada da temporada de balanços pode ser motivo das altas em bancos nos EUA

PUBLICIDADE