Negócios

Boom de fusões e aquisições deve durar anos, diz Deutsche Bank

Valor dos acordos globais encerrou o terceiro trimestre em US$ 3,8 trilhões, segundo dados da Bloomberg

Valor dos acordos globais encerrou o terceiro trimestre em US$ 3,8 trilhões, segundo dados da Bloomberg
Por Jan-Henrik Foerster e Myriam Balezou
04 de Outubro, 2021 | 01:34 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A onda recorde de fusões e aquisições globais está só começando, de acordo com um dos principais executivos do Deutsche Bank na área.

“Vejo a atividade atual como o início de um ciclo ascendente de vários anos em fusões e aquisições”, disse em entrevista Berthold Fuerst, corresponsável global da unidade de fusões e aquisições do banco alemão. “O que vejo é uma atividade elevada nos próximos anos.”

O valor dos acordos globais encerrou o terceiro trimestre em US$ 3,8 trilhões, segundo dados da Bloomberg. Com isso, o volume em 2021 está a apenas algumas centenas de bilhões de dólares de ultrapassar o recorde anual de US$ 4,1 trilhões estabelecido em 2007.

Veja mais: Opep+ avalia plano de produção em momento de controle do mercado

PUBLICIDADE

As transações em tecnologia lideram à medida que empresas de todos os setores adaptam seus negócios para a era digital. Esse objetivo de obter acesso à tecnologia disruptiva por meio de aquisições tem estimulado a atividade na faixa de US$ 1 bilhão a US$ 10 bilhões, uma tendência que deve se manter, segundo Fuerst.

Ele destaca que a confiança na busca por fusões e aquisições continua alta entre conselhos de administração, apesar da perspectiva de redução do estímulo de bancos centrais, aumento das taxas de juros e efeitos indiretos da pandemia, como choques nas cadeias de suprimentos globais.

Outro fator é o foco do mundo corporativo na melhoria dos padrões ambientais, sociais e de governança, ou ESG na sigla em inglês, inclusive por meio da transição para formas mais verdes de energia. Na semana passada, o Deutsche Bank nomeou Khaled Fathallah para liderar um novo grupo de transição energética.

“O complexo ESG está alimentando o mercado de fusões e aquisições”, disse Fuerst. “Novos mercados estão surgindo. É uma oportunidade para as empresas reinvestirem e realocarem capital em áreas que estão mais em conformidade com o ESG.”

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Whatsapp, Facebook e Instagram apresentam instabilidade


PUBLICIDADE