promo
Mercados

Outubro indica cenário mais favorável para ativos de risco

Índice MSCI AC World caiu 4,3% com o forte peso do mercado dos Estados Unidos em setembro

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Se padrões históricos servirem de guia, ativos de risco globais devem ter um cenário muito mais favorável nas próximas semanas, depois de um mês tumultuado para investidores.

Setembro fez jus à reputação de um mês de perdas para os índices acionários globais, que registraram o pior desempenho desde março de 2020. O índice MSCI AC World caiu 4,3% com o forte peso do mercado dos Estados Unidos, onde o S&P 500 despencou quase 5%.

Traders de ações da China, em particular, afetados por meses de turbulência, buscam catalisadores. O feriado do Dia Nacional, também conhecido como “Semana Dourada”, pode dar pistas sobre o nível de gastos dos consumidores chineses, depois que controles rígidos para frear o coronavírus reduziram o consumo.

O índice acionário de referência mais seguido da China mostra os piores retornos relativos em duas décadas, o que indica um último trimestre desafiador para investidores que buscam fechar o ano no azul. A repressão de Pequim ao setor privado, a crise da incorporadora China Evergrande e a escassez de energia abalam a confiança.

Veja mais: Dólar forte reduz apelo de arbitragem de juros entre emergentes

A boa notícia para investidores de renda variável é que mercados relacionados à China tendem a se estabilizar ou até mesmo se recuperar durante feriados prolongados no país asiático, segundo análise histórica das negociações.

No geral, nos últimos 10 anos, ações de mercados emergentes têm liderado ralis em outubro com retorno médio de 2,6%, também com altas para índices acionários nos EUA e outros mercados desenvolvidos. Os três grupos tendem a estender os ganhos no quarto trimestre como um todo, com retorno médio de quase 5% no mercado acionário dos EUA, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Sem dúvida, há uma ressalva: a conhecida barreira de obstáculos que os mercados precisam superar, como a redução do estímulo pelo Federal Reserve, tetos da dívida, estagflação e possíveis mudanças no comando do banco central dos EUA. Mas os ativos de risco têm uma base sazonal sólida para iniciar sua ascensão.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Inflação volta a dominar agenda; mercados começam outubro no negativo