PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

YouTube removerá vídeos com informações falsas sobre vacinas

Proibição, que entra em vigor hoje (29), incluirá qualquer mídia que afirme que as vacinas - não só contra covid - são perigosas ou levam a resultados crônicos de saúde

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O YouTube começará a remover conteúdos que questionem qualquer vacina aprovada, não apenas aquelas para Covid-19, um desvio da abordagem historicamente isolada da plataforma.

A divisão do Google, da Alphabet, anunciou nesta quarta-feira (29) que estenderá sua política contra desinformação para cobrir todas as vacinas que as autoridades de saúde consideram eficazes. A proibição incluirá qualquer mídia que afirme que as vacinas são perigosas ou levam a resultados crônicos de saúde, como o autismo, disse Matt Halprin, vice-presidente de confiança e segurança do YouTube.

PUBLICIDADE

Veja mais: Vai viajar após a vacina? Confira 10 tendências da retomada do turismo

Um ano atrás, o YouTube proibiu certos vídeos que criticavam as vacinas Covid-19. A empresa disse que desde então retirou mais de 130.000 vídeos por violar essa regra. Mas muitos vídeos contornaram a regra fazendo afirmações duvidosas sobre vacinas sem mencionar a Covid-19. O YouTube determinou que sua política era muito limitada.

“Podemos imaginar os telespectadores potencialmente extrapolando para Covid-19″, disse Halprin em uma entrevista. “Queríamos ter certeza de que estamos cobrindo toda a gama.”

PUBLICIDADE

O YouTube tem enfrentado alguma - mas não toda - a mesma pressão política que o Facebook e o Twitter para lidar com informações de saúde. O presidente Joe Biden e os legisladores dos EUA criticaram as plataformas por policiar inadequadamente o ceticismo e as falsidades sobre as vacinas. Políticos e especialistas da direita acusaram o YouTube de censurar o discurso.

Cerca de 64% da população dos EUA recebeu pelo menos uma dose contra a Covid-19, com especialistas em saúde dizendo que a doença está se tornando cada vez mais de pessoas não vacinadas. Os empregadores estão começando a exigir injeções para os trabalhadores, embora algumas celebridades e atletas profissionais expressem ceticismo sobre a eficácia das vacinas.

Garth Graham, chefe global de saúde do YouTube, disse que a empresa não falou com o governo Biden sobre essa atualização recente da política, mas consultou especialistas em saúde. “Há muita estabilidade científica em torno da segurança e eficácia da vacina”, disse Graham.

PUBLICIDADE

Em fevereiro, o Facebook disse que iria banir contas de conspirações repetidas sobre vacinas e tentou tomar medidas mais fortes para combater a hesitação vacinal.

Veja mais: Cientistas usam marketing para estimular vacinação

Até agora, o YouTube permitiu que as pessoas transmitissem quase tudo sobre vacinas. Sua nova política, que entra em vigor hoje (29), removerá várias contas importantes que Biden criticou. Isso inclui Joseph Mercola, um cético em relação à vacinação com quase meio milhão de assinantes no YouTube, e Children’s Health Defense, um grupo afiliado a Robert F. Kennedy Jr.

PUBLICIDADE

Ainda assim, a nova regra do YouTube terá duas ressalvas. Halperin disse que a empresa permitirá “discussões científicas” - vídeos sobre testes de vacinas, resultados e falhas. O YouTube continuará a permitir testemunhos pessoais, como pais falando sobre as experiências de seus filhos ao serem vacinados.

Se os vídeos agregarem esses depoimentos em um clipe ou fizerem afirmações mais amplas questionando a eficácia da vacina, eles serão removidos, de acordo com Halprin. “É apenas quando alguém se vira e generaliza: ’Não se trata apenas do meu filho‘”, disse ele. “Obviamente, há uma linha aí.”

O YouTube disse que retirou mais de um milhão de vídeos desde fevereiro de 2020 por desinformação relacionada a todos os aspectos do Covid-19. A empresa também trata certos vídeos de saúde como “limítrofes”, reduzindo sua aparência em resultados de pesquisa e recomendações. O YouTube normalmente não divulga quando isso acontece.

PUBLICIDADE

Halprin disse que é provável que as filmagens visadas pela nova política já estejam sendo tratadas como limítrofes. Mas os executivos do YouTube não compartilharam os números de tráfego para esses vídeos ou a frequência com que o sistema do YouTube os recomendou aos espectadores.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE