PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Fed questiona bancos de Wall Street sobre exposição a Evergrande

Supervisores do setor bancário dos EUA questionam rotineiramente as instituições financeiras sobre seus laços com empresas em dificuldades

Fed pede esclarecimento sobre exposição de bancos americanos a Evergrande
Por Chanyaporn Chanjaroen, Jesse Hamilton e Hannah Levitt
28 de Setembro, 2021 | 07:52 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Autoridades do Federal Reserve questionaram grandes bancos dos EUA sobre sua exposição ao China Evergrande Group, juntando-se a outros reguladores globais para examinar as consequências potenciais da crise da dívida da incorporadora imobiliária chinesa.

Problemas com Evergrande, com mais de US$ 300 bilhões em dívidas, levaram o Fed a buscar informações para evitar quaisquer riscos à estabilidade financeira, segundo pessoas a par do assunto. O banco central de Hong Kong também pediu aos credores locais que relatassem os riscos relacionados à Evergrande, a maior emissora chinesa de títulos considerados high yield denominados em dólares.

PUBLICIDADE

Os supervisores do setor bancário dos EUA questionam rotineiramente as instituições financeiras sobre seus laços com empresas em dificuldades. O presidente do Fed, Jerome Powell, disse na semana passada que “não há uma exposição direta dos Estados Unidos”, acrescentando que os grandes bancos chineses também “não estão tremendamente expostos”.

O perigo de contágio foi igualmente rejeitado pela presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, que disse que a exposição direta na Europa é “limitada”.

Powell disse que sua principal preocupação em relação ao caso é “que isso afete as condições financeiras globais por meio de canais de confiança e coisas desse tipo”.

PUBLICIDADE

Um porta-voz do Fed se recusou a comentar os pedidos de comentário.

Os bancos americanos também forneceram informações a outros reguladores, incluindo o Gabinete do Controlador da Moeda e a Comissão de Valores Mobiliários, disse uma das pessoas. Uma porta-voz do OCC se recusou a comentar, e a SEC não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

--Com assistência de Robert Schmidt.

PUBLICIDADE