PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Fusão Hapvida-GNDI tem ‘alto risco’ de restrições pelo Cade, diz Bradesco

Analistas dizem que a venda de carteiras poderá ser “remédio” para superar problemas de concentração

Cade vai se aprofundar nas questões de concentração identificadas e pode solicitar a prorrogação do prazo de análise de até 90 dias
27 de Setembro, 2021 | 12:58 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — As primeiras avaliações do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) sobre a proposta de fusão entre as empresas de saúde Hapvida e GNDI (Grupo NotreDame Intermédica) confirmam o alto risco de o negócio, anunciado em março, se concretizar com restrições limitadas. A avaliação consta de um relatório do Bradesco BBI e da Ágora Investimentos, enviado aos clientes nesta segunda-feira (27).

Veja mais: Hapvida compra HB Saúde e amplia presença em SP

PUBLICIDADE

Os analistas Marcio Osako (Bradesco BBI) e Maria Clara Negrão (Ágora Investimentos) escrevem que há uma “pequena sobreposição” entre as duas companhias, citando que apenas 9% da base de planos médicos possui potenciais problemas de concentração, que podem ser tratada com remédios (por exemplo, venda de carteiras). “Observamos que tais soluções devem representar menos de 9% dos usuários, visto que envolveriam apenas uma das duas associações em cada mercado”, dizem.

Desde o anúncio da fusão, no fim do primeiro trimestre, o mercado já esperava que o Cade identificaria problemas de concentração no acordo entre a Hapvida e a GNDI.

Veja mais: NotreDame amplia presença no Rio e compra maternidade em Niterói

PUBLICIDADE

Na última sexta-feira (24), a Superintendência Geral de Defesa da Concorrência declarou complexo o caso, com base em altas concentrações, reduzida rivalidade e altas barreiras de entrada em alguns mercados decorrentes da fusão, em planos médicos dos segmentos corporativo e afinidade.

“Esses mercados problemáticos do ponto de vista antitruste representam aproximadamente 10% e 20% do total de usuários do HAPV-GNDI nos respectivos segmentos, que juntos representam apenas 9% da base total de planos médicos em nossa estimativa (dado que 74% dos planos são corporativa, 8% de afinidade e 18% de pessoas físicas). Esse número está em linha com os 7,5% antecipados pelas empresas ao encaminharem o pedido de homologação ao Cade”, diz o relatório.

Os analistas observam ainda que o Cade também indicou preocupações competitivas relacionadas à estratégia de verticalização, especialmente em alguns mercados com oferta limitada de leitos hospitalares.

“As empresas, entretanto, notaram apenas uma sobreposição em hospitais (em Belo Horizonte, MG, mas a participação de mercado é inferior a 20%) e quatro em centros médicos (Joinville, SC, Uberlândia, MG, Belo Horizonte, MG, e Contagem, MG)”, observam os analistas.

Ações em queda

Os próximos passos do Cade serão analisar as eficiências econômicas potenciais resultantes da operação e se aprofundar nas questões de concentração identificadas, podendo solicitar a prorrogação do prazo de até 90 dias, totalizando até 330 dias para a decisão final (contagem iniciada em 16 de junho).

Por volta das 12h40, as ações da Hapvida registravam queda de 2,99%, cotadas a R$ 14,30, após mínima de R$ 14,28 (-3,12%) e máxima de R$ 14,66 (-0,54%). Já os papéis da GNDI recuavam 2,81%, cotados a R$ 78,04, depois de mínima de R$ 78 (-2,86%) e máxima de R$ 79,27 (-1,28%). No horário, o Ibovespa estava estável (-0,01%), aos 113.271 pontos.

PUBLICIDADE

Leia também

Qualicorp confirma plano da Rede D’Or de aumento de posição acionária

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE