Mercados

Evans diz que Fed precisa gerar uma inflação mais forte

Presidente do Fed de Chicago estima ser necessário um período de inflação sustentada acima de 2%, induzida pela política monetária

Ele estima ser necessário um período de inflação sustentada acima de 2%, induzida pela política monetária
Por Matthew Boesler
27 de Setembro, 2021 | 03:18 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O banco central dos EUA precisa manter a política monetária de juros baixos para elevar as expectativas de inflação, mesmo depois que o atual surto de pressões inflacionárias por interrupções na cadeia de abastecimento desaparecer, disse o presidente do Fed de Chicago Charles Evans.

“Não acho que o aumento transitório da inflação induzido pelo lado da oferta que estamos vendo hoje será suficiente para resolver o problema”, disse Evans na segunda-feira, em comentários preparados para um discurso na conferência anual da National Association for Business Economics em Arlington, Virgínia.

Ele estima ser necessário um período de inflação sustentada acima de 2%, induzida pela política monetária, para impulsionar as expectativas inflacionárias de longo prazo o suficiente para o cumprimento das metas do Fed.

Evans falou após a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto da semana passada, que terminou na quarta-feira com um sinal dos membros do Fed de que eles provavelmente começariam em breve a reduzir o programa massivo de compra de títulos que implementaram no ano passado em resposta à pandemia.

PUBLICIDADE

Veja mais: Presidentes regionais do Fed apoiam redução do estímulo

O presidente do Fed de Chicago, eleitor das decisões do FOMC neste ano, ecoou essa orientação em seus comentários.

Ao mesmo tempo, Evans descreveu a perspectiva para a taxa de juros de referência do Fed - que o banco central mantém perto de zero desde março de 2020 - como “muito menos clara”.

As projeções trimestrais publicadas após a reunião do FOMC na semana passada mostraram que o comitê estava dividido em ver a necessidade de começar a aumentar as taxas já no próximo ano, em meio a expectativas de que a inflação cairia para um pouco acima da meta de 2% do Fed, dos níveis atuais acima 4%.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

BC provocou ‘deuses do câmbio e da inflação’, diz Parnes, da SPX

PUBLICIDADE