Internacional

Alemanha: Scholz começa a discutir coalizão para formar governo

Líder social-democrata procurou os Verdes e os Democratas Livres pró-negócios para apoiarem uma coalizão tripartite após vitória estreita nas eleições de domingo

Olaf Scholz, candidato a chancellery, tenta formar novo governo
Por Birgit Jennen, Arne Delfs e Patrick Donahue
27 de Setembro, 2021 | 11:57 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Olaf Scholz, líder dos social-democratas de centro-esquerda, fez um apelo aos partidos com potencial de se juntarem a ele em um novo governo alemão o mais rápido possível, enquanto seu oponente conservador perde a esperança de reverter o quadro.

Na sede do partido em Berlim na segunda-feira, Scholz apelou aos Verdes e aos Democratas Livres pró-negócios para apoiarem uma coalizão tripartite após sua vitória com pequena margem nas eleições de domingo.

Armin Laschet, o candidato do bloco liderado pelos democratas-cristãos da chanceler Angela Merkel, foi efetivamente instruído a abandonar sua busca por uma coalizão alternativa que entregaria Scholz à oposição. “Nenhuma reivindicação de formar um governo vem de um segundo lugar”, disse Markus Soeder, o líder do partido irmão bávaro da CDU, em uma entrevista coletiva.

Ainda assim, o combalido líder da CDU se recusa a renunciar a seu sonho de ser chanceler e insistiu em uma entrevista coletiva que ainda pode tentar formar um governo. Ele assumiu parte da responsabilidade pelo pior desempenho eleitoral de seu partido já registrado.

PUBLICIDADE

Enquanto Scholz pode enfrentar meses de negociações para fechar um acordo de coalizão, o esboço de um novo governo alemão está entrando em foco. Com três partidos necessários para a maioria, os Democratas Livres pró-negócios exigirão uma política fiscal rígida que foi a marca dos anos de Merkel no poder e, dentro dessa estrutura, Scholz terá que encontrar uma maneira de entregar a transição do modelo energético que é o cerne dos planos dos Verdes.

Em uma reunião com a liderança de seu partido na segunda-feira, o próprio Laschet desistiu de sua campanha para liderar o próximo governo, dizendo aos colegas que ninguém tem um mandato claro e que a CDU/CSU deve estar pronta para intervir se os esforços de Scholz para intermediar uma coalizão fracassar, segundo uma pessoa com conhecimento das discussões.

“A CDU perdeu esta eleição”, disse Michael Kretschmer, o primeiro-ministro estadual da CDU na Saxônia, na antiga parte comunista do leste, na manhã de segunda-feira. “Erros substanciais foram cometidos no governo e também nas escolhas pessoais. Se continuarmos assim, estou extremamente preocupado com o que vai sobrar daqui a quatro anos. "

O bloco de Laschet foi derrotado por 25,7% a 24,1%, de acordo com resultados provisórios.

PUBLICIDADE

Christian Lindner, o líder do FDP, propôs negociações com os Verdes a fim de abordar suas várias diferenças políticas antes de iniciar as discussões com qualquer um dos partidos maiores. Ambos os grupos na segunda-feira buscaram discutir seus pontos comuns.

Os verdes terminaram em terceiro lugar com 14,8%, seu melhor resultado de todos os tempos, embora o resultado tenha sido um pouco manchado para a candidata Annalena Baerbock, que viu seu apoio cair cerca de 10 pontos percentuais depois de iniciar a campanha como candidata a chanceler. Suas disputas durante a campanha criaram tensões com o colíder do partido, Robert Habeck.

Batalha pela Chancelaria

Habeck também tem defendido a ideia de manter conversas preliminares com o FDP e convenceu Baerbock a aceitar a ideia, de acordo com uma autoridade do partido. Embora Habeck tenha ajudado a forjar um acordo com a CDU e o FDP em seu estado natal, Schleswig-Holstein, o resultado da eleição torna esse desfecho difícil para um governo nacional, disse.

A liderança dos verdes teria uma oposição potencial dos membros se selasse um acordo com os democratas-cristãos. Embora o FDP possa enfrentar um problema semelhante se se juntar a uma aliança liderada pelo SPD.

Isso significa que Scholz pode ter que fazer uma oferta particularmente atraente para pacificar sua base, e Lindner fez uma proposta explícita para o cargo de ministro das finanças.

PUBLICIDADE

“Quando um novo governo é finalmente formado, é quase certo envolver os Verdes, o que implica um maior enfoque nas políticas de mudança climática”, disse Steven Bell, economista-chefe da BMO GAM. “As coalizões viáveis envolveriam concessões de todos os lados e não implicariam em nenhuma mudança política importante.”

O que pensam os economistas da Bloomberg

  • “Longas e árduas negociações estão à frente antes que um governo de coalizão possa surgir. Isso provavelmente significará um longo período de incerteza para os mercados financeiros, bem como para a política econômica e fiscal. " - Björn van Roye, Economista Global Sênior.

Próximo de uma estátua gigante de Willy Brandt, o ex-chanceler social-democrata, Scholz foi saudado com gritos e aplausos de partidários quando apareceu na sede do partido na segunda-feira. Ele disse que tinha dormido bem, estava satisfeito de modo geral com o desempenho de seu partido na eleição e lembrou a seus parceiros em potencial de como seus partidos ajudaram a levar a Alemanha adiante durante coalizões anteriores.

“A Alemanha sempre teve governos de coalizão e sempre foi estável”, disse ele. “Minha ideia é que seremos muito rápidos em obter um resultado para este governo, e isso deve ser antes do Natal, se possível.”

--Com assistência de Iain Rogers, Naomi Kresge e Katharina Rosskopf.

PUBLICIDADE

Leia também

China promete frear ‘expansão desordenada’ de empresas tech

PUBLICIDADE