PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Nova York volta a sediar assembleia da ONU, com receio por repique do vírus

A maior preocupação é o que acontece fora do complexo da ONU, já que o encontro é famoso pelos encontros paralelos em hotéis, bares, cafés e restaurantes, disse um conselheiro municipal

Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A reduzida Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) está voltando a Manhattan nesta semana, depois de se tornar completamente virtual no ano passado, mas os temores sobre um possível aumento nos casos de Covid-19 estão deixando as pessoas na sede do evento menos entusiasmadas com a reunião diplomática anual.

Os nova-iorquinos, cientes do tráfego extra e do labirinto de fechamentos de ruas causados por hospedar mais de 100 líderes mundiais e suas comitivas, normalmente podem abraçar o impulso econômico fornecido pelo evento, mais de 18 meses depois que a pandemia levou ao fechamento da cidade.

PUBLICIDADE

Mas a AGNU deste ano não será uma tábua de salvação econômica, e a variante delta ainda está em alta.

“Minha maior preocupação é o que acontece fora do complexo da ONU”, disse o membro do conselho municipal Mark Levine em uma entrevista. “Este encontro é famoso por todos os encontros paralelos em hotéis, bares, cafés e restaurantes. Muitos deles acontecem sem exibições regulares, onde os nova-iorquinos serão expostos. "

Este não é exatamente o megaevento ao qual os nova-iorquinos se acostumaram. Embora 10.000 delegados normalmente descessem a Manhattan em um ano normal, pré-Covid, Vijay Dandapani, presidente da Associação de Hotéis de Nova York, diz que cerca de 1.000 são esperados desta vez. Os países concordaram em limitar suas delegações a sete pessoas dentro do prédio da ONU e os eventos paralelos serão em sua maioria virtuais.

PUBLICIDADE

Veja mais: Vacina e metas climáticas ganham força na agenda da Assembleia Geral da ONU

O prefeito Bill de Blasio pressionou a ONU para “ajudar a proteger o progresso que fizemos” no combate à pandemia. Penny Abeywardena, a comissária de Assuntos Internacionais da cidade, escreveu uma carta ao presidente da Assembleia Geral da ONU observando que, de acordo com as regras de Nova York, a prova de vacinação deve ser exigida para entrar na sede da ONU. O presidente da Assembleia Geral, Abdulla Shahid, respondeu que trabalharia para que isso acontecesse.

Mas alguns líderes, como o brasileiro Jair Bolsonaro, não foram vacinados, e a ONU não sinalizou que pretende impedi-los de entrar. Em vez disso, o chefe da ONU, Antonio Guterres, disse à Bloomberg em uma entrevista que um sistema de honra será usado, o que significa diplomatas que acessam o prédio atestam terem sido vacinados.

PUBLICIDADE

“O número de pessoas não vacinadas que estarão lá será muito limitado”, disse ele. “Todo o pessoal da ONU que apoia a Assembleia Geral está vacinado”, acrescentou ele, observando que até agora a ONU nunca foi uma super propagadora do vírus devido às medidas rígidas em vigor sobre máscaras e distanciamento social.

De qualquer forma, a cidade está fornecendo apoio adicional aos delegados da ONU, como testes e vacinação no local.

“Como cidade anfitriã, a cidade de Nova York está animada para fornecer testes instantâneos e vacinação na Assembleia Geral da ONU”, disse Abeywardena em comentários por escrito à Bloomberg. “Como líder nacional e global na adoção da vacina, a cidade de Nova York incentiva todos os participantes da Assembleia Geral a se vacinarem para proteger não apenas os participantes deste encontro, mas também as pessoas da cidade de Nova York.”

PUBLICIDADE

O governo Biden também está tentando manter o aspecto presencial da reunião modesto. No mês passado, a Missão dos Estados Unidos nas Nações Unidas encorajou os países a reduzir os planos de participação e enviar vídeos pré-gravados para evitar o risco de um “evento super difundido”.

No entanto, muitos líderes mundiais ainda estão a caminho. Entre os que devem comparecer estão o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, o indiano Narendra Modi e o Bolsonaro, que ridicularizou o uso de máscaras. O presidente dos EUA, Joe Biden, chega nesta segunda-feira (20) à noite e deve partir na terça-feira (21) após fazer seu discurso.

“Para muitos líderes, é uma oportunidade de mostrar que a cooperação internacional é importante”, disse Richard Gowan, diretor da ONU no Grupo de Crise. “Também é, simplesmente, muito divertido vir para Nova York.”

PUBLICIDADE

A AGNU do ano passado foi totalmente virtual, prejudicando a imagem de Nova York como sede da diplomacia internacional e privando hotéis e empresas próximas da renda tão necessária.

Na mesma rua da sede das Nações Unidas, Mirso Lekic, dono da Tudor City Steakhouse, diz que seu restaurante já recebeu alguns almoços e eventos que antecederam a AGNU e que ele já está recebendo muitas reservas de chefes de estado. Lekic diz que seu restaurante terá pessoal completo durante o evento para atender à demanda.

“Tudo está se abrindo, precisamos fazer nosso trabalho e nos preparar como antes da Covid”, disse ele.

O retorno parcial dos diplomatas ajuda os esforços da cidade para atrair turistas de volta e impulsionar a indústria de lazer e hospitalidade duramente atingida. Muitos teatros da Broadway reabriram na semana passada, com visitantes e habitantes locais podendo retornar aos clássicos como “O Rei Leão” e “Hamilton”.

PUBLICIDADE

Veja mais: Nova York exigirá comprovante de vacinação para refeições em restaurantes, academias

No ano passado, a cidade de Nova York recebeu apenas 22,3 milhões de turistas nacionais e internacionais, segundo a NYC & Company, uma queda de quase 67% em relação a 2019, quando chegaram 66,6 milhões de visitantes.

Este ano, a cidade espera 36,1 milhões de visitantes e mais uma vez abraçou eventos de grande escala nas últimas semanas, incluindo a New York Fashion Week, o MTV Video Music Awards, o U.S. Open e o Met Gala.

Lugares mais seguros para visitar

“Éramos o epicentro da Covid, mas agora somos vistos como um dos lugares mais seguros para se visitar”, disse o vice-presidente de Comunicações Globais da NYC & Company, Christopher Heywood, em uma entrevista por telefone. As pessoas “que vêm para a AGNU terão coisas para ver e fazer na cidade, que está começando a se reabrir para negócios em grande escala. "

PUBLICIDADE

Mas para restaurantes e hotéis da região, a falta de “eventos paralelos” da ONU, que tradicionalmente atraem grandes multidões de delegados, significa expectativas modestas. O evento como um todo pode gerar cerca de US$ 1 milhão em receita total adicional por reserva, estimou Dandapani.

Isso pode não incomodar muito William Bruckman, proprietário do restaurante Pietros em Midtown East. Ele diz que o evento da ONU normalmente torna mais difícil para seus clientes locais chegarem por causa do fechamento generalizado das ruas.

Bruckman descreveu os negócios em meio à pandemia como “tentar dar partida em um carro com uma bateria meio carregada”.

“Ele quer”, diz ele, “mas realmente não chega a esse ponto onde vai começar”.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Hora de voltar? Neurocientista fala sobre principais dificuldades do escritório híbrido

PUBLICIDADE