PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Powell se aproxima de recuo nos estímulos: Eco Week

Pelo menos 15 bancos centrais divulgam decisões de juros na semana: Brasil e Noruega devem elevar taxas, enquanto Japão, Suíça e Reino Unido devem manter

Biden ainda está avaliando se deve renomear a presidência do Fed por mais quatro anos
Por Alister Bull
19 de Setembro, 2021 | 04:13 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, enfrenta um desafio de comunicação na próxima semana, enquanto se inclina para reduzir o estímulo, e tenta evitar especulações de que tal mudança pressagia futuros aumentos das taxas de juros.

As autoridades do Fed, o banco central americano, devem sinalizar o início da redução das compras mensais de títulos em sua declaração de política às 15h00, do horário de Brasília, na quarta-feira (22), a mais significativa entre pelo menos 15 decisões de bancos centrais no globo. Economistas consultados pela Bloomberg veem essa sugestão sendo seguida por um anúncio formal de Powell em novembro.

PUBLICIDADE
Decisões de bancos centrais ao redor do mundodfd

Powell tentará convencer os americanos de que tal postura não inicia o cronômetro no aumento das taxas, enquanto explica as novas previsões do Fed, onde alguns de seus colegas preveem a decolagem em 2022. Ele também enfrentará perguntas de repórteres sobre as recentes e embaraçosas negociações de ações em 2020 revelações envolvendo dois dirigentes regionais do Fed.

A dura lista de tarefas para Powell ficará ainda mais difícil com a consciência de que o presidente Joe Biden está avaliando se deve renomear a presidência do Fed por mais quatro anos. Uma decisão é esperada neste outono, e embora a Bloomberg News tenha relatado que os conselheiros da Casa Branca estão considerando recomendar manter Powell no comando, o negócio não foi costurado.

A decisão do Fed mostra o dilema para os bancos centrais globais de determinar se o crescimento econômico é forte o suficiente para reduzir o apoio da era pandêmica e se as pressões inflacionárias são fortes o suficiente para exigir um aperto.

PUBLICIDADE

Isso é o que as autoridades no Brasil na quarta-feira e na Noruega na quinta-feira provavelmente farão, com aumentos nas taxas de juros previstos para os dois países. Em contraste, os bancos centrais do Japão, Suíça e Reino Unido estão entre os que podem manter as políticas públicas praticamente inalteradas.

O que diz a Bloomberg Economics:

  • “A declaração de setembro provavelmente será a primeira vez, desde o início da pandemia, que o Fomc incluirá uma linguagem sobre planos para reduzir as compras de ativos neste ano.”

--Anna Wong, Andrew Husby e Eliza Winger


Em Paris, a OCDE divulgará previsões econômicas globais atualizadas na terça-feira (21). As eleições na próxima semana determinarão a liderança e a direção econômica de dois países do G-7, os sete países mais ricos. O Canadá vai primeiro, na segunda-feira (20), com o primeiro-ministro Justin Trudeau sendo visto com uma ligeira vantagem sobre seu adversário conservador. A votação nacional da Alemanha ocorre em 26 de setembro, terminando 16 anos com Angela Merkel no comando.

PUBLICIDADE

América latina

A Argentina registrou na terça-feira a produção do segundo trimestre, a última das seis grandes economias da região a fazê-lo, com o ressurgimento da pandemia de atividade reduzida em abril e maio apontando para uma leitura trimestral negativa.

Aperto monetário agressivo do Brasil falhou em fechar o gap da inflaçãodfd

Quatro aumentos diretos da taxa de juros - incluindo um aumento de um ponto em 4 de agosto - totalizando 3,25 pontos percentuais não deixaram o Banco Central do Brasil mais perto de conter a inflação do que quando o ciclo de aperto monetário começou em março.

PUBLICIDADE

Depois que o presidente do banco central, Roberto Campos Neto, pareceu jogar água fria sobre as especulações de um aperto mais agressivo, as expectativas estão se inclinando para um segundo aumento direto de 1 ponto percentual na quarta-feira, o que colocaria a taxa básica de juros, a Selic, em 6,25%.

Na quinta-feira, o México publica sua leitura final da inflação antes da reunião do Banxico em 30 de setembro. Os tetos de preço do GLP (gás liquefeito de petróleo) empurraram os preços ao consumidor para baixo, embora o número principal permaneça bem acima da meta.

PUBLICIDADE

Também na quinta-feira, o relatório de desemprego do segundo trimestre da Argentina deve mostrar uma leitura de dois dígitos consecutivos na sexta posição. Na sexta-feira, o México divulga dados de vendas no varejo de julho que podem mostrar que o crescimento desacelerou no segundo semestre.

Fechando a semana, espere que a leitura de meados de setembro do índice de inflação de referência do Brasil, o IPCA-15, suba marginalmente para pouco menos de 10%, mais de 600 pontos-base acima da meta.

PUBLICIDADE

Veja mais: Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

Ásia

O Banco do Japão deve revelar mais detalhes de seu programa de empréstimos verdes quando se reunir durante uma semana de feriado mais curta. Espera-se que o banco central deixe suas principais configurações de política inalteradas. Os rivais que competem para se tornar o próximo primeiro-ministro do Japão continuarão a oferecer detalhes de seus planos de política antes da eleição do partido no poder em 29 de setembro.

PUBLICIDADE

Na Austrália, um discurso da governadora assistente do Banco da Reserva da Austrália, Michele Bullock, lançará mais luz sobre quaisquer preocupações sobre o sistema financeiro durante a pandemia. A ata da reunião mais recente do banco pode oferecer mais detalhes do debate sobre os planos de redução gradual à luz dos bloqueios prolongados.

Os primeiros números de exportação da Coreia do Sul darão a leitura mais recente do pulso do comércio global. Os dados de inflação do Japão divulgados na sexta-feira podem ficar positivos pela primeira vez desde março de 2020. Paquistão, Indonésia, Filipinas e Taiwan têm decisões sobre taxas de juros.

PUBLICIDADE

A China estará de férias para o festival de meados do outono no início da semana, com padrões de gastos a serem examinados para um exame de saúde do consumidor após decepcionantes vendas no varejo em agosto. O país asiático definirá sua taxa básica de juros para empréstimos na quarta-feira, com os economistas não esperando nenhuma mudança.

Europa, Oriente Médio, África

A Noruega ocupa o centro do palco em meio a várias decisões monetárias de toda a região esta semana, com o Norges Bank amplamente esperado para se tornar o primeiro do Grupo das 10 jurisdições com as moedas mais negociadas do mundo a aumentar as taxas de juros desde o início da pandemia.

PUBLICIDADE

Diante da desaceleração do crescimento e da alta da inflação, os funcionários do Banco da Inglaterra provavelmente manterão sua postura inalterada na quinta-feira, em uma decisão que traz a novidade de dois novos membros do Comitê de Política Monetária. É provável que Michael Saunders tenha repetido seu voto para reduzir a compra de títulos.

Assim como o Fed, o Riksbank da Suécia pode sinalizar planos para reduzir o estímulo da crise, enquanto o banco central da Hungria revelará se os formuladores de políticas querem desacelerar um dos ciclos de aperto monetário mais agressivos da União Europeia.

É provável que o Banco Nacional da Suíça mantenha a taxa mais baixa do mundo, atualmente em -0,75%, inalterada, enquanto continua a retórica lamentando a força do franco. As autoridades monetárias da Turquia também devem optar por uma postura inalterada, mantendo sua taxa de recompra de uma semana em 19%.

Na África do Sul, os dados de quarta-feira provavelmente mostrarão que a inflação acelerou para 4,8% em agosto, enquanto permanece dentro da meta de 3% a 6% do banco central.

Isso permitirá que os membros do Comitê de Política Monetária que se reunem no dia seguinte deixem a taxa de referência em uma baixa recorde, apoiando uma economia vista em contração no terceiro trimestre após tumultos mortais e um ataque cibernético a portos estatais e operadoras ferroviárias atingindo a produção.

Veja mais em Bloomberg.com