As vacinas certamente explicam a maior parte da mudança na distribuição de idade das mortes de Covid
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — Muitas crianças têm adquirido Covid-19 nos Estados Unidos neste verão, graças à variante delta mais transmissível, ao retorno total à educação presencial e ao status não vacinado de praticamente todos os americanos menores de 12 anos. Os menores de 18 anos representavam 28,9% dos casos notificados de Covid na primeira semana de setembro, de acordo com a Academia Americana de Pediatria, mais do que 22,2% da população e muito mais do que 15,5% dos casos cumulativos desde o início da pandemia.

Felizmente, porém, as crianças ainda parecem ser responsáveis por uma pequena parcela das mortes de Covid:

PUBLICIDADE
Porcentagem de mortes por Covid por grupos de idadedfd

A atual onda de mortes de Covid nos EUA ainda não parece ter atingido o pico, embora os casos e hospitalizações possam ter, e os dados de mortes por idade do CDC estão atrasados em várias semanas em relação aos números das manchetes. Isso torna muito cedo para dizer o quão perigosa esta última onda tem sido para grupos de diferentes idades em relação a outras ameaças, como gripe, doenças cardíacas e acidentes de carro. Quando fiz essa comparação pela última vez em março, ela mostrou que o número de mortos da Covid em 2020 foi muito pior para os adultos dos EUA do que qualquer causa importante de morte em um ano normal (a exceção foram as doenças cardíacas), mas muito menos para crianças.

O número de mortes de Covid-19 em 2021 para americanos com menos de 18 anos já é maior do que para todo o ano de 2020, embora as mortes em geral pela doença ainda sejam menores, então os números de risco relativo serão claramente diferentes neste ano.

PUBLICIDADE

Mas o número de mortes de menores de 18 anos também permanece muito pequeno (241 até agora este ano contra 198 em 2020) e a maior parte desse aumento foi entre adolescentes, então eu imagino que, embora Covid possa acabar sendo mais mortal para as crianças este ano do que em um ano normal de gripe e pneumonia, é improvável que mate quase tantas crianças quanto as mortes por automóveis. Além disso, há muitos efeitos adversos possíveis da Covid antes da morte, mas os dados da American Academy of Pediatrics sobre as hospitalizações da doença e um novo estudo do UK Office for National Statistics sobre os sintomas de “covid longa” indicam que as crianças apresentam menos essas questões do que outras faixas etárias.

Outra coisa que fica clara a partir das mudanças na distribuição das mortes de Covid por idade é que a pandemia deixou de ser mais perigosa para os americanos mais velhos e passou a ter como alvo os próximos grupos de idade abaixo deles. Aqui estão os dados da tabela acima renderizados em forma de gráfico de linha, com a adição da distribuição por idade de todas as mortes nos EUA de 2017 a 2019 para comparação.

PUBLICIDADE
Sob outro ponto de vistadfd

Eu escolhi o final de março como a linha divisória porque a onda de inverno de Covid já havia diminuído na maior parte até então e porque é quando a parcela de americanos com 65 anos ou mais que foram totalmente vacinados contra a doença passou de 50%. As vacinas certamente explicam a maior parte da mudança subsequente na distribuição de idade das mortes de Covid. Elas foram primeiro disponibilizados para os idosos, que continuam sendo os mais prováveis de serem vacinados (sim, as faixas etárias usadas aqui são um pouco diferentes das anteriores; é apenas como o CDC informa).

As vacinas claramente não explicam tudo. Aqueles com idades entre 65 e 74 têm a maior taxa de vacinação, mas viram sua parcela de mortes de Covid aumentar ligeiramente desde março. Provavelmente porque estão saindo mais do que os mais velhos e também porque os surtos em lares de idosos responsáveis por grande parte das mortes entre pessoas com 75 anos ou mais tornaram-se muito menos mortais graças às altas taxas de vacinação e testes regulares nas casas de saúde, bem como o triste fato de que muitos dos residentes de asilos mais vulneráveis já sucumbiram às ondas pandêmicas anteriores.

PUBLICIDADE

As faixas etárias com os maiores aumentos na proporção de mortes de Covid-19, porém, são aquelas de 35 a 64. Basta comparar os números de mortes de Covid este ano com aqueles de 2020, entretanto, e cada faixa etária com menos de 55 viu um aumento nas mortes de Covid em 2021 (que está longe de terminar!), com os maiores saltos entre aqueles de 25 a 54.

Essas pessoas têm menos probabilidade de serem vacinadas do que os mais velhos e mais chances de serem expostas ao Covid-19 no trabalho, no lazer, em casa com as crianças e em outros lugares. Eles também são muito menos propensos a sucumbir à doença se a contraírem, mas os riscos para adultos não vacinados não são desprezíveis. As crianças têm taxas de vacinação ainda mais baixas e provavelmente ainda mais oportunidades de pegar Covid, mas seus sistemas imunológicos estão muito mais bem equipados para combater o vírus. A Covid ainda não parece ser uma grande ameaça para crianças e adultos muito jovens, mas definitivamente não é apenas a doença de uma pessoa idosa.

Justin Fox é colunista da Bloomberg Opinion cobrindo negócios. Ele foi o diretor editorial da Harvard Business Review e escreveu para a Time, Fortune e American Banker. Ele é o autor de “O Mito do Mercado Racional”.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Hora de voltar? Neurocientista fala sobre principais dificuldades do escritório híbrido

Nos EUA, pesquisa sugere que pais estão no limite com seus filhos

Reforço de vacina de Biden e plano de ajuda devem se chocar