promo
Tech

Número de Big Techs vai aumentar, segundo fundador do LinkedIn

De acordo com Reid Hoffman, Netflix e Salesforce são duas fortes candidatas a entrarem para o grupo

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As Big Techs estão se tornando um clube bem menos exclusivo, afirmou Reid Hoffman, cofundador do LinkedIn e sócio da empresa de venture capital Greylock Partners.

O atual grupo das gigantes de tecnologia – o Google, da Alphabet Inc., a Amazon.com Inc., a Apple Inc., o Facebook Inc. e a Microsoft Corp. – deve crescer de cinco empresas para 10, disse ele em entrevista com David Rubenstein.

“Já estamos naturalmente indo por esse caminho”, disse Hoffman na entrevista, transmitida na quarta-feira (8) na Bloomberg Television. “Dá para ver o processo com empresas como a Netflix e a Salesforce e todas essas outras empresas que continuam a se fortalecer.”

Veja mais: Apple pede que funcionários nos EUA informem status de vacinação

O escrutínio das maiores empresas de tecnologia aumentou nos últimos anos, com o avanço dos temores de concorrência desleal por parte dos órgãos reguladores e com executivos depondo frequentemente no Congresso. Na semana passada, a Apple concordou em mudar suas políticas da App Store para resolver uma investigação no Japão. Ter um pool mais amplo de gigantes de tecnologia pode ajudar a aliviar algumas dessas preocupações.

O LinkedIn, que Hoffman ajudou a abrir em 2003, foi vendido para a Microsoft em 2016 por cerca de US$ 26 bilhões.

Durante a entrevista, Hoffman também enumerou algumas da empresas nas quais se arrepende de não ter investido, como Twitter, Snap e a empresa de compartilhamento de imagens Pinterest. Esse arrependimento doeu mais que aqueles investimentos em empresas que acabaram falindo, disse ele.

“É muito pior do que ter investido US$ 100 mil, US$ 1 milhão ou US$ 10 milhões em uma empresa que faliu”, disse Hoffman.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

China pode banir e-commerce que violar propriedade intelectual

Fábricas fechadas na Malásia são novo desafio na oferta de chips

Apple planeja adicionar recursos de satélite a iPhones para emergências