PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Apple pede que funcionários nos EUA informem status de vacinação

Empresa afirma que tem usado os dados para orientar seus protocolos e esforços de resposta à Covid-19

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Apple pediu que todos os funcionários nos Estados Unidos informem se foram vacinados ou não, em uma nova medida da campanha de combate à Covid-19 da empresa, que até agora evitou exigir a vacinação.

A fabricante do iPhone recomendou que os empregados informem sua condição “voluntariamente” até meados de setembro, independentemente de estarem trabalhando remotamente ou nos escritórios. A empresa disse que tem usado os dados para orientar seus protocolos e esforços de resposta à Covid-19.

PUBLICIDADE

A Apple havia solicitado anteriormente a funcionários na Califórnia, Washington e Nova Jersey que essas informações estivessem em conformidade com os regulamentos locais.

“À medida que a resposta à Covid-19 da Apple continua a evoluir, nosso foco principal continua sendo manter os membros de nossa equipe, seus amigos e familiares e toda a nossa comunidade saudáveis”, disse a Apple no memorando. O prazo para enviar a informação é 17 de setembro.

Um porta-voz da Apple não respondeu a um pedido de comentário.

PUBLICIDADE

Ao contrário de vários concorrentes no setor de tecnologia, a Apple não está exigindo a vacinação contra a Covid. Mas tem adotado uma postura mais incisiva. A empresa recentemente iniciou uma campanha para incentivar a vacinação com as aprovações de vacinas pela FDA, agência que regula fármacos e alimentos nos EUA.

No mês passado, a Apple intensificou o programa opcional de testagem para a Covid-19, solicitando que funcionários façam o teste até três vezes por semana.

A Apple disse aos funcionários que os dados sobre a vacinação são “confidenciais e seguros” com o objetivo de agregar informações, sem informar os gerentes sobre as respostas. Ainda assim, essa situação pode mudar no futuro, disse a empresa.

PUBLICIDADE

“É possível que o seu estado de vacinação possa ser usado de forma identificável, juntamente com outras informações sobre o seu ambiente de trabalho geral, como a localização do seu edifício, se determinarmos ou, se for exigido, essas informações sejam necessárias para garantir um ambiente de trabalho saudável e seguro”, disse a Apple no memorando.

A empresa planeja o retorno de todos os funcionários corporativos, mas adiou esse o cronograma várias vezes. Inicialmente, tinha como objetivo a volta aos escritórios em junho, prazo que foi adiado até o início de setembro. A Apple depois adiou o retorno para outubro e novamente até janeiro. A empresa pretende avisar os funcionários um mês antes da data de retorno.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE