PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Membro do BCE recomenda cautela ao avaliar salto da inflação

Preços ao consumidor subiram 3% na taxa anual em agosto, o maior ganho em uma década

Com a próxima reunião do Conselho se aproximando, autoridades mostram seus argumentos para a trajetória da política monetária
Por Sotiris Nikas e Carolynn Look
01 de Setembro, 2021 | 08:44 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Banco Central Europeu não deve reagir exageradamente à aceleração da inflação na Zona do Euro enquanto se prepara para a decisão de política monetária na próxima semana, segundo Yannis Stournaras, membro do Conselho do BCE.

“De acordo com a maioria das estimativas, o recente salto da inflação se deve a fatores temporários relacionados a vários gargalos no lado da oferta causados pela pandemia”, disse em entrevista à Bloomberg.

PUBLICIDADE

Os preços ao consumidor subiram 3% na taxa anual em agosto, o maior ganho em uma década e acima dos 2% que o BCE pretende atingir no médio prazo. Com a próxima reunião do Conselho do BCE marcada para 9 de setembro, autoridades mostram seus argumentos para a trajetória da política monetária.

Veja mais: BCE pode debater redução de pacote emergencial na próxima semana

“A evolução salarial e os custos unitários de mão de obra, que determinam o núcleo da inflação, não apresentam a mesma volatilidade da inflação cheia”, disse. “Portanto, com base nessas evidências, aconselho cautela quanto ao curso da inflação em relação à nossa meta de médio prazo.”

PUBLICIDADE

Em contraste com Stournaras, Klaas Knot e Robert Holzmann, que costumam ser mais favoráveis ao aperto monetário, querem que o BCE desacelere as compras de títulos no quarto trimestre, refletindo a melhora da economia da região.

Eles disseram em entrevistas separadas na terça-feira que o programa da pandemia do BCE deveria terminar em março, conforme planejado atualmente.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Orçamento para 2022 não consegue dissipar incerteza fiscal

Como a ‘cultura dos brothers’ atrasa o ecossistema de inovação brasileiro

Google adia retorno obrigatório ao escritório até 2022 por Covid

PUBLICIDADE