PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Amaggi anuncia investimento de R$ 2,3 bilhões em 2021

Com faturamento acima de R$ 44 bilhões, aporte será feito na aquisição de terras, aumento da frota de veículos construção de três unidades industriais, de uma pequena central hidrelétrica e ampliação da capacidade de armazenagem

Empresa vai expandir capacidade de produção, de armazenagem e construir três novas plantas industriais em Mato Grosso e Rondônia
26 de Agosto, 2021 | 07:06 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O grupo Amaggi, controlado pela família do ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, anunciou um investimento de R$ 2,3 bilhões para este ano. Os recursos serão aplicados para a compra de terras e expansão da capacidade produtiva, construção de três unidades industriais, de uma pequena central hidrelétrica, do aumento da capacidade de armazenagem de grãos e da ampliação da frota própria de veículos.

PUBLICIDADE

Parte do investimento já foi anunciado. Em março deste ano, o conglomerado agrícola brasileiro anunciou a compra do grupo argentino El Telhar, que detinha fazendas em sete municípios de Mato Grosso. O negócio acrescenta 62 mil hectares de áreas produtivas sob a gestão da Amaggi, que passa a ter 350 mil hectares disponíveis para cultivo.

O El Telha foi considerado um dos maiores produtores de grãos do Brasil. Contudo, o grupo teve sua estratégia de expansão limitada, com a nova interpretação da lei de compra de terras agrícolas por estrangeiros.

PUBLICIDADE

Veja mais: CCJ autoriza compra de terras agrícolas por empresa japonesa

Na área industrial, a Amaggi vai levantar duas misturadoras de fertilizantes, uma em Porto Velho e outra em Sinop (MT). As obras em Rondônia já começaram, enquanto a unidade matro-grossense ainda será iniciada. A terceira fábrica nos planos do grupo será uma usina de biodiesel em Lucas do Rio Verde, ao lado do complexo de processamento de soja que a empresa já possui na cidade. Quando terminada, a nova fábrica de biodiesel terá capacidade anual de produção de 300 mil toneladas do biocombustível e será abastecida com o óleo de soja da unidade de esmagamento.

Esperando um aumento na base de fornecedores de grãos, a empresa vai elevar em quase 10% sua capacidade de armazenamento. A ideia é construir novos armazéns nas regiões produtoras do país e chegar a uma capacidade de estocagem de 2,85 milhões. Ainda em termos logísticos, a Amaggi vai expandir em 60% sua frota de veículos e chegar a aproximadamente 800 unidades, além de construir uma base de operações logísticas em Vilhena (RO).

Veja mais: ADM e Marathon Petroleum criam joint venture para produzir diesel à base de soja

A partir de 2023, deve entrar em operação a Pequena Central Hidrelétrica (PCH) que está sendo construída em Sapezal (MT). A unidade vai elevar em mais de 28% a potência instalada total da companhia, dos atuais 70 MW para mais de 90 MW.

PUBLICIDADE

Leia também

STF decide a favor da lei que deu autonomia ao Banco Central

Após calote no exterior, Andrade Gutierrez fecha venda de participação na CCR para fundo escocês

Guedes sinaliza energia elétrica mais cara em setembro

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.