PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Amazon atrai anunciantes de Facebook depois de mudanças da Apple

A rede social, que é o número dois em anúncios digitais nos Estados Unidos, ficou imune por anos por ser considerada distinta da publicidade de busca

Amazon continua ganhando fatia em publicidade digital
Por Spencer Soper
09 de Agosto, 2021 | 03:18 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A investida da Amazon.com em publicidade digital até agora ocorreu em grande parte às custas do Google, líder de mercado, pois consumidores frequentemente ignoram o gigante de buscas e procuram produtos diretamente na Amazon.com. Agora, a maior varejista online do mundo também começa a atrair anunciantes do Facebook.

Por anos, o Facebook - número 2 em vendas de anúncios digitais nos Estados Unidos - ficou amplamente imune a tais investidas porque os sites de redes sociais eram considerados distintos da publicidade de busca proeminente na Amazon e no Google, da Alphabet. Então, em junho, a Apple introduziu mudanças de privacidade em iPhones que tornaram a publicidade no Facebook menos eficaz.

PUBLICIDADE

Isso levou algumas marcas a buscarem alternativas aos anúncios na gigante de redes sociais e em sua unidade Instagram. A Amazon, com uma estimativa de 153 milhões de assinantes US Prime, foi uma escolha óbvia.

A migração do Facebook para a Amazon é incipiente, e é muito cedo para saber a duração da tendência. E muitas marcas continuam relutantes em vender na Amazon porque temem perder uma conexão direta com os clientes. Mas a Belardi Wong, agência de marketing de Nova York cujos 300 clientes incluem a fabricante de móveis Blue Dot e a varejista de roupas Bombas, disse que mais de 40% de seus clientes em junho registraram queda no desempenho de seus anúncios no Facebook, o que levou a uma corrida por outras opções.

“Estamos vendo mais e mais clientes se ramificando em mercados como a Amazon”, disse a presidente da agência, Polly Wong. “Mais clientes estão vendendo na Amazon e com um grande negócio de marketplace.”

PUBLICIDADE

A Amazon, por meio de uma porta-voz, não quis comentar.

Leia mais emm bloomberg.com

PUBLICIDADE