promo
Agro

Empresa holandesa pede registro para produto que promete reduzir emissão de metano dos bovinos

Aditivo promete reduzir em até 30% a difusão do gás tido como vilão da pecuária no aspecto ambiental

Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A holandesa DSM entrou com pedido de registro, junto ao Ministério da Agricultura brasileiro, de um aditivo nutricional chamado Bovaer que promete reduzir em até 30% a emissão do metano gerado por bovinos. Dona da Tortuga, uma das principais marcas de produtos para nutrição animal do país, a empresa aguarda agora a aprovação e liberação para comercialização de seu ingrediente, que há mais de uma década está em desenvolvimento.

“Já conseguimos o registro na Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, já realizamos testes com o produto e os resultados foram muito bons. Agora, submetemos todos os estudos e documentos ao Ministério da Agricultura e estamos em fase de aprovação regulatória”, disse à Bloomberg Línea Sérgio Schuler, vice-presidente de nutrição e saúde animal da DSM no Brasil.

Veja mais: Bilionário eleva fatia na Huon e coloca em risco negócio da JBS

POR QUE ISSO É IMPORTANTE: Segundo o último Inventário Nacional de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa, com dados até 2016, a atividade agropecuária é a que mais contribui com a emissão de gases relacionados ao aquecimento global, com uma participação de 33,2% de tudo o que é emitido pelo Brasil.

Dessa fatia, 58% é proveniente da fermentação entérica das 214 milhões de cabeças do rebanho bovino e de outros ruminantes de menor porte. Na prática, quase 20% de todos os gases de efeito estufa que o Brasil emite são produzidos a partir da digestão de matéria orgânica dos ruminantes.

CONTEXTO: A área de nutrição animal é o principal negócio da DSM no Brasil no mundo. A chegada do novo ingrediente, que há anos já vinha sendo prometido, tende a reforçar a operação brasileira, dado o fato de o país ser, em termos comerciais, dono do maior rebanho bovino do mundo. No ano passado, a empresa registrou vendas superiores a R$ 3 bilhões no país, resultado que representou um crescimento de 19% em comparação aos R$ 2,52 bilhões de 2019. Sozinho, o Brasil representou 5,8% da receita global da DSM em 2020.

Globalmente, a DSM obteve em 2020 um faturamento de € 8,106 bilhões, com crescimento de 1,35% sobre o ano anterior. Contudo, os negócios de nutrição humana e animal apresentaram, juntos, um crescimento de 5,6%, com vendas de € 6,365 bilhões. A receita apenas com a comercialização de produtos para nutrição animal foi de € 3,025 bilhões, 4,6% acima de 2019. Na prática, mais de um terço da receita global gerada pela companhia é proveniente da nutrição animal.

Veja mais: Tereza Cristina diz que agropecuária brasileira é solução para desafios de economia sustentável

BARREIRAS: Se por um lado a adoção da nova tecnologia nutricional pode reduzir o peso que a atividade pecuária tem nas emissões do país, por outro, a fatura, por enquanto, está recaindo apenas sobre o pecuarista. Seria ele o responsável por adquirir e adicionar à dieta dos animais o novo ingrediente.

Ciente disso, a DSM já tem mantido contato com frigoríficos e laticínios para tentar unir todas as pontas e tentar criar um projeto conjunto. “A cadeia de produção tem sido receptiva. A ideia é fazer uma parceria com todos os elos para que, no final, o consumidor pague um pouco mais por um produto mais amigável ao meio ambiente”, afirma Schuler.

Leia também

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.