PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Investidores retomam busca por rendimento em mercados emergentes

Rendimento de investimentos em empresas e dívida da região mostra ganho de 5,7% desde o início da pandemia em março de 2020

Títulos da estatal Petróleos Mexicanos também parecem baratos e se beneficiam do apoio do governo, diz especialista
Por Sydney Maki
09 de Agosto, 2021 | 09:03 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A busca por rendimento está de volta entre investidores de mercados emergentes, embora de forma cautelosa.

Os chamados títulos quase soberanos, emitidos por empresas pelo menos parcialmente controladas pelo estado, são procurados por investidores como Goldman Sachs e Barings, que buscam retornos sólidos em meio a muitas incertezas econômicas.

PUBLICIDADE

Esse tipo de dívida, que inclui algum risco de crédito, paga mais do que títulos soberanos e costuma ser considerada mais segura do que títulos corporativos puros. O indicador Bloomberg Barclays de empresas de mercados emergentes e dívida quase soberana em dólares mostra ganho de 5,7% desde o início da pandemia em março de 2020, em comparação com retorno de 3,3% de um índice comparável que rastreia títulos estritamente públicos.

Investidores avaliam o impacto da variante delta na incipiente recuperação da economia mundial. Essa preocupação reduziu os yields diante do interesse por ativos que podem oferecer retornos atraentes juntamente com a mitigação do risco.

“'Quasis' são frequentemente uma versão beta alto dos soberanos”, disse Sara Grut, estrategista sênior do Goldman Sachs, em Londres.

PUBLICIDADE

Embora a análise da empresa mostre o spread médio de títulos quase soberanos com aumento de yield de 80 pontos-base, notas atreladas à energia de estatais, como as da KazMunayGas, do Cazaquistão, e da Southern Gas Corridor, do Azerbaijão, poderiam oferecer ainda mais.

Os títulos da estatal Petróleos Mexicanos também parecem baratos e se beneficiam do apoio do governo, disse Omotunde Lawal, chefe de dívida corporativa de mercados emergentes do Barings, em Londres. Os títulos em dólares com vencimento em 2050 da Pemex rendem cerca de 8,1% em comparação com o yield de 4,1% dos títulos do governo mexicano com mesmo prazo, segundo dados compilados pela Bloomberg.

“Você se sente ainda mais confortável com o fato de que é controlada pelo governo e é muito estratégica para o governo mexicano”, disse Lawal. “É realmente uma questão de olhar para isso como uma propagação do soberano.”

O risco político tem aumentado da América Latina - onde o Peru elegeu um líder de esquerda - à China, onde recentes controles atingiram emissores como estatais em meio à campanha de autoridades para estimular a disciplina financeira e reduzir o risco moral nos mercados de crédito.

O escrutínio da dívida pública se intensificou este ano com a expectativa de investidores sobre uma possível reestruturação da China Huarong Asset Management, o que aumenta a preocupação depois de um aumento da inadimplência entre estatais no final do ano passado. Além disso, o rali dos títulos soberanos da China foi interrompido pelo maior aumento dos yields de referência em um ano.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE