Finanças pessoais

Sinqia estuda realizar follow-on restrito com BTG como coordenador

Companhia divulgou recorde de receita e EBITDA no segundo trimestre, na esteira de uma série de aquisições

Sinqia aposta na expansão dos serviços financeiros em plataformas digitais para crescimento da companhia com a oferta de soluções tecnológicas
05 de Agosto, 2021 | 09:13 am
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — A Sinqia, provedora de tecnologia para o sistema financeiro, avalia a possibilidade de realizar um follow-on, uma oferta pública subsequente de ações, eventualmente coordenada por BTG Pactual, o Credit Suisse, UBS Brasil e Itaú BBA. Segundo a companhia, em documento divulgado nesta quinta-feira (5), ainda não há uma decisão sobre a efetiva realização da oferta restrita, que é mais rápida, com menos exigências, limitada a um grupo de investidores.

Na noite de ontem, a empresa divulgou o resultado financeiro do segundo trimestre, marcado por uma receita líquida recorde de R$ 87,8 milhões, alta de 77,2% na comparação anual. Contribuiu para a performance a nova unidade de negócios Sinqia Digital, formada com as aquisições de Simply e FEPWeb.

“Essa unidade vem apresentando um crescimento impressionante, impulsionado por produtos que atendem a novas necessidades do sistema financeiro, estratégia comercial ‘land and expand’ e modelo comercial fundamentado em precificação transacional”, disse Thiago Rocha, CFO da Sinqia.

O desempenho operacional da Sinqia, medido pelo EBITDA, apontou crescimento de 168,1%, totalizando valor recorde de R$ 19,7 milhões, com margem EBITDA com incremento de 7,5 pontos percentuais, atingindo 22,4%. Foi a primeira vez que o indicador superou o patamar de 20%.

PUBLICIDADE

“No final de 2019 realizamos uma oferta de ações. Desde então, fechamos 5 aquisições que só foram integralmente consolidadas em nossos resultados no segundo trimestre. É a primeira vez que mostramos a cara dessa nova Sinqia: uma empresa maior, que cresce mais rápido e é mais lucrativa”, afirmou o executivo.

No último dia 27 de julho, a fornecedora paulista de softwares para o mercado financeiro foi às compras e adquiriu o negócio de administração previdenciária da Mercer Brasil por até R$ 35 milhões.


Sua ação (SQIA3) acumula valorização de 17,89% em 30 dias e 32,25% em 12 meses. A companhia abriu capital em 2013.

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE