Cripto

Upgrade ‘London’ do software do Ethereum pode aumentar preço por meio de queima

Processo de queima significa a remoção permanente de parte dos tokens em circulação para simular a escassez e aumentar a demanda e os preços.

Software do blockchain visa remover criptomoeda de circulação para reduzir oferta e induzir o aumento do valor
Por Olga Kharif
30 de Julho, 2021 | 01:32 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O Ethereum – segundo maior blockchain e destino de muitas novas aplicações financeiras – vai passar por uma mudança que pode aumentar seu preço.

O Ethereum logo passará por um grande upgrade em seu software, de codinome London, que reduzirá o ritmo de fornecimento de tokens do Ether. A mudança, chamada EIP-1559, dividirá em três partes cerca de 13 mil novos Ethers emitidos todos os dias para o pagamento de “taxas de gás” de mineradores. Uma delas – a taxa mínima ou básica que os usuários pagam para processar as transações – será tirada de circulação, em processo conhecido como queima.

“O upgrade London é um dos mais interessantes e importantes da história do Ethereum”, disse Kyle Samani, cofundador da empresa de investimentos Multicoin Capital, que detém o Ether, citando a redução da oferta da moeda como forma de aumentar os preços por meio da alta escassez.

As taxas básicas aos usuários representam cerca de 25% a 75% das taxas de gás pagas a mineradores, afirmou Tim Beiko, coordenador dos principais desenvolvedores do Ethereum, em entrevista. Assim que essas moedas são queimadas, os aumentos na atual oferta de Ether – de cerca de 4% ao ano – serão reduzidos.

PUBLICIDADE

A oferta pode cair ainda mais quando o Ethereum passar a um mecanismo diferente de verificação das transações, provavelmente no primeiro trimestre do próximo ano. Esse novo sistema de verificação utilizará computadores que suportem a rede Ethereum para oferecer Ether, em vez de mineradores, na maioria dos casos. A quantidade das novas moedas emitidas diminuirá, o que pode aumentar o preço, declarou Beiko.

O upgrade London, que ocorrerá em 4 ou 5 de agosto, dependendo do momento em que o sistema chegar ao ponto do blockchain em que o upgrade está agendado, também beneficiará usuários do Ethereum ao tornar as taxas aos usuários mais previsíveis e reduzir atrasos no processamento da maioria das transações, disse Beiko.

“Isso vai melhorar a experiência geral do usuário, porque, em teoria, o número de transações não concluídas deve diminuir”, afirmou Katie Talati, vice-presidente do setor de pesquisas da Arca, empresa de gestão de criptoativos, em entrevista.

Ponto de vista dos mineradores

Ao mesmo tempo em que o upgrade London inicialmente afetará a receita inicial dos mineradores da rede, ao longo do tempo eles ainda devem se beneficiar com o crescimento de suas participações no Ether, declarou Beiko.

PUBLICIDADE

“Se o ecossistema do Ethereum ficar cada vez mais forte e maior, com certeza vamos nos beneficiar, assim como os usuários comuns”, afirmou Slava Karpenko, diretor de tecnologia da 2miners, empresa de mineração de Ether. Os mineradores ainda conseguirão receber moedas ao ajudar os traders a realizar transações como trades de arbitragem.

Embora alguns mineradores possam não concordar com o upgrade e criem uma versão separada do Ethereum – o chamado fork – isso provavelmente não vai vingar.

“No final das contas, os mineradores terão de seguir os usuários, porque são estes que pagam as taxas”, disse Talati.

Além disso, o upgrade London contém o código que vai soltar a “bomba da dificuldade” – que se refere ao nível cada vez mais alto de dificuldade ou complexidade do algoritmo de mineração que remunera os mineradores – em dezembro, o que pode tornar a moeda impossível de ser minerada sem um upgrade no software.

O upgrade ocorrerá quando o Ethereum comemorar seis anos do lançamento inicial do software. A rede agora é compatível com muitos aplicativos de finanças descentralizadas populares e com rápido crescimento, que detêm mais de US$ 66 bilhões e permitem que pessoas negociem, emprestem e tomem moedas na modalidade peer-to-peer, sem intermediários como bancos, segundo o site DeFi Pulse.

Mesmo após o aumento do preço nos últimos 10 dias, a capitalização de mercado de US$ 271 bilhões do Ethereum ainda é quase metade do valor de maio, quando o Ether atingiu seu ponto mais alto. A maioria das criptomoedas sofreu queda nos últimos meses devido a fatores como o aumento da rigidez dos regulamentos governamentais.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE