Totvs: por que o CEO espera um resultado melhor em 2024 após queda na margem

Em entrevista à Bloomberg Línea, Dennis Herszkowicz atribuiu redução de margens no quarto trimestre a fatores pontuais e sazonais e disse que o ambiente macro agora é mais favorável

Dennis Herszkowicz, CEO da Totvs
09 de Fevereiro, 2024 | 05:05 AM

Bloomberg Línea — O resultado trimestral da Totvs esteve no centro das atenções do mercado na quinta-feira (8): analistas do sell side expressaram preocupação com a queda das margens e alertaram para projeções para o ano que podem ser refeitas para baixo; investidores levaram a ação à maior queda do dia no Ibovespa, de 9,77%.

Diante dos resultados e da reação do mercado, o CEO da Totvs (TOTS3), Dennis Herszkowicz, buscou expressar otimismo em relação a 2024. Ele disse que a Totvs pode ter um ano melhor em razão de investimentos que já estão sendo executados em um mercado com demanda constante e, desta vez, em um ambiente econômico mais favorável com queda de juros.

O CEO disse que a empresa de tecnologia, que desenvolve software e soluções digitais de gestão de empresas, tem investido na modernização das plataformas e aplicado elementos de Inteligência Artificial (AI) e machine learning nos processos internos e em produtos.

“Estamos construindo o que consideramos ser o portfólio de aplicações de performance mais completo do mercado brasileiro”, afirmou na quinta-feira (8) em entrevista à Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE
LEIA +
Localiza: os riscos aos negócios que entraram no radar de bancos de Wall Street

A receita líquida da Totvs atingiu R$ 1,23 bilhão no quarto trimestre de 2023 - superior ao consenso do mercado de R$ 1,21 bilhão -, com um crescimento de 18% na base anual. No entanto as margens mais comprimidas limitaram os ganhos e esse foi um dos principais pontos de preocupação de analistas.

A margem Ebitda ajustada no quarto trimestre foi de 21%, menor em relação ao mesmo período em 2022 (23%) e também em relação ao terceiro trimestre de 2023 (24,5%). O Ebitda ficou em R$ 255 milhões, uma queda de 8% trimestre contra trimestre e aumento de 12% ano contra ano.

O lucro líquido ajustado foi de R$ 156,7 milhões, uma queda de 2,2% em relação ao ano anterior e abaixo das expectativas dos analistas.

PUBLICIDADE

Herszkowicz disse que a redução do lucro não aconteceu do ponto de vista operacional e que esteve relacionada a depreciação e amortização, que são itens contábeis que se somam ao longo dos trimestres em razão das aquisições.

“Temos alguns elementos sazonais e outros pontuais que reduziram a margem”, explicou o CEO.

O executivo elencou ajustes na operação da Dimensa, uma joint-venture da Totvs e da B3 (B3SA3) que teve a mudança do CEO, além do impacto da própria valorização das ações da Totvs no fim do ano passado, o que elevou os custos de remunerações em papéis da companhia aos funcionários.

“As ações subiram quase 30%. Isso tem peso na remuneração em ações do time. É o que eu chamo de problema bem saudável. A ação sobe, todo mundo fica feliz, mas o custo da remuneração em ações também acaba subindo”, disse Herszkowicz.

Além disso, segundo Herszkowicz, o quarto trimestre é mais fraco do que o terceiro porque há o impacto inicial do dissídio nas operações fora de São Paulo, algo que afeta a remuneração dos times que estão espalhados por Florianópolis, Joinville e Belo Horizonte, entre outros locais.

O aumento salarial resultante desse processo de negociação pode influenciar os custos e, consequentemente, afetar a margem de lucro.

“Nós entendemos que temos hoje uma estrutura adequada para crescimento e para oportunidades. A nossa expectativa é a de encerrar o ano de 2024 inclusive com um time um pouco maior do que o de 2023, que também já foi pouco maior do que o de 2022″, disse.

PUBLICIDADE

Outro ponto mencionado pelo CEO foram os custos relacionados à conferência RD Summit, da empresa RD, adquirida pela Totvs, que foi realizado no fim do ano passado pela primeira vez em São Paulo, o que teria contribuído para pressionar a margem.

“Custo é uma preocupação permanente. É que nem unha, tem que ir cortando. Como somos muitos disciplinados, normalmente não precisamos de reestruturações.”

Sobre o crescimento das receitas, Herszkowicz afirmou que o desempenho no quarto trimestre não foi impulsionado por um elemento específico, mas, sim, resultado de uma trajetória consistente ao longo do ano.

“Do ponto de vista operacional esse desempenho é a combinação de vários elementos: estamos rodando há um bom tempo com o maior nível de NPS [Net Promoter Score] e já há alguns anos estamos ampliando o portfólio de produtos.”

PUBLICIDADE

“Também temos aumentado, trimestre após trimestre, não só a produtividade e a eficiência do nosso time comercial mas também a própria cobertura geográfica e por segmentos”, disse.

A visão do sell side

Em relatório denominado “Mesmo as grandes empresas têm dias (trimestres) ruins”, Carlos Sequeira, Osni Carfi e Guilherme Guttilla, do BTG Pactual consideraram que, depois de um terceiro trimestre muito sólido que, juntamente com o modo de maior risco do mercado, levou a Totvs a disparar mais de 30% em novembro, a empresa apresentou resultados fracos no quarto trimestre, principalmente em termos de margem.

As receitas de Gestão e Desempenho Empresarial estavam em linha com as expectativas do banco, mas a lucratividade ficou bem abaixo dos números esperados.

“O crescimento e a lucratividade da vertical Techfin também ficaram muito aquém, resultando em uma queda consolidada de 9,4% no Ebitda”, escreveram os analistas do BTG.

PUBLICIDADE

Segundo eles, a reestruturação da operação da Dimensa deve erodir as margens da Totvs no curto prazo, e elas apenas gradualmente devem voltar para meados a altos dois dígitos até o final do ano.

A XP, por sua vez, classificou os resultados como “mistos”, em relatório assinado pelos analistas Bernardo Guttmann e Marco Nardini.

PUBLICIDADE

Potencial de expansão na nuvem

A Totvs tem se destacado no setor de nuvem nos últimos anos, com mais de 40% de sua base de clientes utilizando tais soluções. Herszkowicz enfatizou que a empresa continua a capitalizar essa demanda e busca manter uma posição de liderança no mercado brasileiro.

Em relatório no ano passado, o Itaú BBA disse que, embora a SAP e a Totvs atendam a diferentes perfis de clientes, o forte impulso da SAP no setor de nuvem pode ser interpretado como reflexo de sua empresa brasileira equivalente.

Segundo os analistas do banco de investimento, o comentário da SAP sobre clientes que adotam mais soluções de multi-nuvem é uma leitura positiva para a Totvs, considerando a importância do cross selling para o crescimento da empresa.

PUBLICIDADE

A SAP destacou que o Brasil teve um crescimento excepcional na receita de nuvem no quarto trimestre de 2023, o que também é positivo para a Totvs, segundo o relatório do Itaú BBA.

“Uma das perguntas mais frequentes que recebemos de investidores diz respeito aos principais impulsionadores do crescimento sustentado da Totvs no futuro. Dada a penetração ainda baixa de software no Brasil e a contínua transição de muitas cargas de trabalho de locais físicos para a nuvem, há uma forte demanda por esses serviços”, escreveram Thiago Kapulskis, Cristian Faria e Gabriela Moraes no relatório.

Herszkowicz indicou que o resultado confirma essa visão. “Temos por volta de 85% das vendas novas acontecendo em nuvem”, disse.

PUBLICIDADE

Com a queda de quase 10% nesta quinta, as ações da Totvs acumulam desvalorização de 12% no ano, depois de uma alta de 22% em 2023.

Leia também

Bradesco terá evolução gradual, sem apostar em ‘bala de prata’, diz novo CEO

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups