Estudo calcula diferença de produtividade entre o home office e o presencial

Análise de 554 companhias abertas nos Estados Unidos descobriu que as que são flexíveis aumentaram receita em 21% entre 2020 e 2022 em base ajustada por setor

escritórios
Por Matthew Boyle
14 de Novembro, 2023 | 01:24 PM

Bloomberg — Empresas que permitem o trabalho remoto experimentaram um crescimento de receita quatro vezes mais rápido do que aquelas que são mais rigorosas em relação à presença no escritório, apontou uma nova pesquisa.

A análise de 554 empresas abertas nos Estados Unidos, que empregam um total de 26,7 milhões de pessoas, descobriu que empresas “totalmente flexíveis” - que são totalmente remotas ou permitem que os funcionários escolham quando vão ao escritório - tiveram aumento das vendas em 21% entre 2020 e 2022, em uma base ajustada por setor.

Isso se compara a um crescimento de 5% para empresas com forças de trabalho híbridas ou totalmente presenciais.

O estudo, realizado pela consultoria de trabalho flexível Scoop Technologies e pelo Boston Consulting Group, incluiu empresas de 20 setores, desde tecnologia até seguros.

PUBLICIDADE

O crescimento da receita foi ajustado em relação às taxas médias de crescimento dos setores para que empregadores em áreas de melhor desempenho não distorcessem os resultados.

Entre as empresas que exigiam pelo menos alguma presença no escritório, aquelas que compareciam alguns dias por semana impulsionaram as vendas a uma taxa duas vezes maior do que aquelas no escritório em tempo integral, de acordo com a pesquisa.

As taxas de crescimento mais altas para empresas mais amigáveis ao trabalho remoto podem ser devido à sua capacidade de contratar mais rapidamente e de uma área geográfica mais ampla, juntamente com uma maior retenção de funcionários, segundo Rob Sadow, co-fundador e CEO da Scoop.

PUBLICIDADE

Na seguradora Allstate , por exemplo, 84% de suas novas contratações nos EUA no último ano não moram perto de um de seus escritórios locais, e os empregos amigáveis ao trabalho remoto recebem o dobro de inscrições, de acordo com Lauren DeYoung, que trabalha em vários departamentos para supervisionar os arranjos de trabalho flexíveis da empresa.

LEIA +
Por que as promoções dentro de empresas devem ser levadas mais a sério

“Isso começa a ser um caso mais convincente para CFOs e CEOs não estarem cinco dias no escritório”, disse Sadow. “As pessoas perguntam se o crescimento da receita é o melhor indicador - você também poderia olhar para os retornos aos acionistas. Não há resposta perfeita, mas sentimos que este era um primeiro passo na direção certa.”

A pesquisa é uma das primeiras análises abrangentes de como arranjos de trabalho diferentes impactam o desempenho corporativo. Até o momento, a maioria das pesquisas comparando trabalhadores remotos e de escritório tem sido limitada, olhando, por exemplo, para trabalhadores de banco de dados na Índia ou atendentes de call center na China.

Líderes empresariais de empresas como Amazon.com e JPMorgan Chase, por outro lado, raramente citam dados financeiros ao implorar - ou exigir - que os trabalhadores voltem às suas mesas, argumentando em vez disso que o trabalho no local fortalece a colaboração e a cultura.

Das 5.565 empresas no banco de dados da Scoop, a parcela que exige trabalho em tempo integral no escritório diminuiu para 38% em outubro, em comparação com 49% no início do ano.

Os defensores do retorno ao escritório têm alguns dados recentes para apoiar sua posição, no entanto. Uma pesquisa separada de 4.505 funcionários em tempo integral dos EUA da consultoria de local de trabalho Mercer descobriu que aqueles que estavam no escritório quatro dias por semana relataram os níveis mais altos de motivação e pertencimento.

Eles também eram os mais propensos a recomendar sua empresa como um bom empregador e sentiam com mais força que seus objetivos de carreira poderiam ser alcançados. No entanto, uma pesquisa semelhante da Mercer no ano passado descobriu que aqueles que trabalhavam apenas um dia no local estavam mais envolvidos.

PUBLICIDADE

Lauren Mason, principal sênior da Mercer, disse que os resultados do estudo mais recente de sua empresa a surpreenderam e podem ser devido aos funcionários remotos se sentirem marginalizados dentro de sua organização, mesmo que estejam satisfeitos com seu arranjo de trabalho.

adfd

“Essa é uma teoria que temos”, disse ela, acrescentando que esses sentimentos muitas vezes são mais prevalentes entre as mulheres, que se envolvem em trabalho flexível em taxas mais altas do que os homens. “E isso não é algo bom.”

Entre as empresas que exigem um certo número de dias no escritório, apenas 6% exigem quatro dias, com a maioria exigindo dois ou três, descobriu a pesquisa Scoop-BCG.

Pesquisas anteriores do professor associado da Harvard Business School, Prithwiraj Choudhury, descobriram que apenas um ou dois dias no escritório são a configuração ideal para o trabalho híbrido, pois oferece aos trabalhadores a flexibilidade que desejam sem o isolamento de trabalhar totalmente remotamente.

PUBLICIDADE

Uma boa prática, segundo especialistas em locais de trabalho, é fornecer às equipes individuais alguma autonomia sobre quando e onde trabalham, em vez de o CEO impor uma política de presença em toda a empresa que raramente funciona para todos. Equipes que definem suas políticas híbridas juntas têm o maior envolvimento dos funcionários, de acordo com a Gallup.

“Estou conversando com mais empresas nos dias de hoje que têm diretrizes híbridas fracamente aplicadas, mas ainda não divulgaram uma política”, disse Debbie Lovich, sócia sênior da BCG que lidera os esforços da empresa no local de trabalho. “Eles estão procurando dados para descobrir o que fazer.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

IA generativa vai acirrar competição global no ensino, diz CEO do Coursera

Dos baby boomers à geração Z: os principais erros de cada grupo ao lidar com dinheiro