Por que Walmart e Target se uniram em campanha para endurecer penas a criminosos

As duas varejistas, em ação alinhada com os prefeitos democratas de São Francisco e San Jose, na Califórnia, financiam uma proposta de emenda para alterar uma lei

Walmart doou US$ 1 milhão para uma campanha que pretende endurecer as penas a criminosos na Calirfórnia (Foto: Dustin Chambers/Bloomberg)
Por Eliyahu Kamisher
09 de Fevereiro, 2024 | 02:06 PM

Bloomberg — Duas das maiores varejistas dos Estados Unidos e dois prefeitos democratas estão apoiando uma campanha para reverter uma reforma histórica do sistema de justiça criminal da Califórnia, que tem sido responsabilizada por um aumento nos furtos no varejo.

O Walmart (WMT) e a Target (TGT) são os principais financiadores de uma proposta de emenda que visa desfazer a chamada Proposição 47, uma lei aprovada pelos eleitores em 2014 que reduziu as penalidades para muitos crimes considerados mais leves com drogas e propriedade no estado.

A reversão proporcionaria aos promotores mais poder para acusar ladrões como criminosos e forçar usuários de drogas a passar por tratamento sob a ameaça de prisão, disse Greg Totten, chefe da Associação de Promotores de Justiça da Califórnia, que liderou a iniciativa.

A campanha ganhou o apoio da prefeita de São Francisco, London Breed, e do prefeito de San Jose, Matt Mahan, que representam duas das cidades mais liberais dos Estados Unidos. Seu apoio reflete uma crescente frustração sentida pelo público e pelos líderes das duas cidades com as consequências da Proposição 47, que críticos dizem ter fortalecido os criminosos.

PUBLICIDADE

Críticos apontam para uma recente onda de roubos em lojas de departamento e a prevalência de uso de drogas ao ar livre nas ruas da cidade como evidência das deficiências da lei. Em setembro, a Target fechou três lojas na Califórnia, além de seis lojas em outros estados, citando a criminalidade.

A Proposição 47 foi uma “iniciativa bem-intencionada” que teve “consequências significativas não intencionais”, disse Mahan em uma coletiva de imprensa nesta semana. “Um pequeno número de pessoas comete crimes sem medo de prestar contas. As pessoas estão tão presas na dependência que recusam serviços e subsistem na miséria em nossas ruas.”

Outros grandes apoiadores da campanha incluem um sindicato de guardas prisionais, a varejista Macy’s e o empresário e doador político William Oberndorf, que foi um grande contribuinte para um esforço de revogação em 2022 que destituiu o procurador progressista de São Francisco, Chesa Boudin.

PUBLICIDADE

A posição dos prefeitos os coloca em desacordo com outros líderes democratas do estado, incluindo o governador Gavin Newsom.

Os apoiadores da Proposição 47, que incluem grupos de direitos civis, defensores públicos e alguns funcionários da aplicação da lei, creditam à lei que existe há uma década a redução das taxas de encarceramento, de disparidades raciais em prisões e de custos de prisão. A medida também canalizou fundos para programas mais eficazes de prevenção ao crime, dizem eles.

Redes varejistas dos EUA dizem que sofreram um aumento nas perdas de inventário, conhecidas como encolhimento, devido em parte ao crime organizado no setor, que tem como alvo tanto produtos de alta qualidade quanto itens comuns como pasta de dentes e para o público infantil.

De acordo com um estudo do ano passado da National Retail Federation, um grupo comercial que inclui o Walmart e a Target, o “encolhimento” aumentou para o equivalente a 1,6% das vendas em 2022, ante 1,4% no ano anterior, mas em linha com os dois anos anteriores a isso.

Isso resultou em cerca de US$ 112 bilhões em mercadorias perdidas, e o roubo - tanto externo quanto interno - representou quase dois terços do total. O “encolhimento” também inclui perdas por danos e erros administrativos.

Los Angeles e São Francisco lideraram a lista de áreas metropolitanas dos EUA mais afetadas pelo crime organizado no varejo, seguidas por Houston e Nova York, disse a entidade comercial. Sacramento, na Califórnia, também ficou entre as dez primeiras.

A proposta de emenda da Califórnia permitiria aos promotores somar furtos cometidos em ocasiões distintas para tomar como referência o limite de US$ 950 para acusações de crimes graves.

PUBLICIDADE

Também aumentaria a sentença para pessoas que agem em grupo para roubar bens ou para quem leva mais de US$ 50.000 em itens de propriedade. Além disso, a reforma autorizaria promotores a acusar usuários de drogas com um crime grave na terceira ofensa, em uma ação que os apoiadores dizem ser destinada a forçar pessoas viciadas em drogas a aderirem a programas de reabilitação.

A iniciativa precisa de 546.651 assinaturas válidas para se qualificar para a eleição de novembro de 2024. Atualmente, tem mais de 360.000, de acordo com um comunicado desta semana dos apoiadores do esforço.

O Walmart, que doou US$ 1 milhão para a iniciativa de proposta de emenda, disse que apoia políticas destinadas a melhorar a segurança de seus funcionários, clientes e comunidades. Um porta-voz da Target, que doou US$ 500 mil, se recusou a comentar e encaminhou as perguntas para a Associação de Promotores de Justiça da Califórnia.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Apple reforça segurança em iPhones para dificultar acesso em caso de roubo

Bradesco terá evolução gradual, sem apostar em ‘bala de prata’, diz novo CEO