Negócios

Na disputa de super-tênis para corredores, Adidas aposta em novo modelo de US$ 500

Adizero Adios Pro Evo 1 é lançado para a Maratona de Berlim e pode custar R$ 4.000 quando chegar ao Brasil, elevando a competição - e o patamar de preços - com a Nike

Modelo Adizero Adios Pro, que marcou a entrada da Adidas no categoria dos super-tênis de corrida em 2020; esse modelo está já em sua terceira versão, o Adizero Adios Pro 3 (Foto: Divulgação)
Por Tim Loh
17 de Setembro, 2023 | 09:55 AM

Bloomberg — A Adidas lançou um tênis de corrida de US$ 500, a mais recente aposta na competição dos super-tênis para corredores de média e longa distância, como maratonas e meia-maratonas. O Adizero Adios Pro Evo 1 é o tênis de corrida mais leve já produzido pela empresa alemã, segundo informou. Com um peso de 138 gramas, ele é 40% mais leve do que o tênis de maratona mais recente da Adidas, o Adizero Adios Pro 3, que ganhou destaque no mercado. Além disso, ele tem o dobro do preço desse modelo.

No Brasil, o Adizero Adios Pro Evo 1 não teve lançamento nem preço anunciados, mas, dado o valor de R$ 2.000 do Adios Pro 3, estima-se que, quando chegar ao mercado nacional, possa custa em torno de R$ 4.000. Seria o modelo mais caro do mercado.

O Adios Pro Evo 1 também é consideravelmente mais caro do que o concorrente Alphafly 2 da Nike, um tênis de corrida no mesmo segmento que custa US$ 275 nos Estados Unidos - no Brasil, sai por R$ 2.500.

LEIA +
Copa do Mundo feminina é oportunidade para Nike e Adidas, mas tem seus riscos

O mais recente modelo da Adidas está sendo lançado justamente quando a temporada de maratonas de outono (no hemisfério norte) começa em Berlim no próximo domingo, dia 24 de setembro. Não é por acaso.

PUBLICIDADE

A Maratona de Berlim, em percurso de 42,195 km - a marca oficial de qualquer maratona - extremamente plano, é patrocinada pela Adidas e amplamente considerada uma das mais rápidas do mundo.

No ano passado, o queniano Eliud Kipchoge quebrou seu próprio recorde mundial com um tempo de 2h01min09. Kipchoge, o mais vitorioso - e considerado o maior - maratonista de todos os tempos, retorna a Berlim para defender seu título. No entanto ele é patrocinado pela Nike.

Depois de Berlim, serão disputadas as maratonas de Chicago, em 8 de outubro, e a de Nova York, em 5 de novembro, encerrando a temporada 2023 das Majors, como são conhecidas as seis mais importantes do mundo, que reúnem cerca de 30.000 a 40.000 corredores, incluindo profissionais. As demais Majors são a de Tóquio, em fevereiro, e a de Boston e a de Londres, ambas em abril.

PUBLICIDADE

O mercado esportivo de maratonas para corredores amadores é um dos que mais crescem no Brasil e no mundo, com modelos com mais tecnologia e, por tabela, mais caros, o que significa um negócio importante em termos de prestígio e de rentabilidade para as grandes marcas esportivas.

O Adios Pro Evo 1 foi projetado para profissionais e “corredores ambiciosos” dispostos a pagar tanto por um tênis que não é projetado para uso diário.

Adios Pro Evo 1, novo modelo de super-tênis da Adidas que 'inaugura' novo patamar de tecnologia e preço para a categoria (Foto: Reprodução)dfd

O tênis inclui as “hastes de energia” - os energy rods - produzidas com carbono na sola, uma tecnologia introduzida na última década no início da era dos super-tênis de corrida.

A Nike iniciou essa corrida quando combinou placas de carbono com um novo tipo de espuma extremamente leve e elástica, que se combina para proporcionar às pessoas um melhor retorno de energia a cada passo. E isso se traduz em corredores de quase qualquer nível correndo de maneira mais eficiente e, portanto, conseguindo tempos mais baixos, especialmente em provas longas.

Empresas como Asics, Saucony, Hoka, Brooks, New Balance, Mizuno e até a brasileira Olympikus desde então introduziram modelos concorrentes, com a tecnologia ajudando os profissionais a reduzir consideravelmente o tempo em recordes mundiais, tanto em corridas de pista como de rua. E alimentando um mercado crescente para corredores amadores dispostos a baixar seus recordes.

Para o modelo mais recente, a Adidas também criou uma nova versão de sua espuma Lightstrike Pro, removeu uma palmilha para torná-lo mais leve e introduziu um novo tipo de sola.

- Com informações da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Como Apple e Adidas se tornaram chave para a ida de Messi para o Inter Miami

Nike perde o ímpeto da pandemia e terá que se reinventar mais uma vez