Contra a corrente, Lego dobra aposta na China de olho na classe média

Maior fabricante mundial de brinquedos espera superar 500 lojas no país neste ano e pode abrir cerca de 100 novas unidades por ano nos próximos exercícios, diz CEO

A customer is handed their purchase at the Lego A/S store in London, U.K., on Monday, March 7, 2022. The Lego Group will report their annual results on Tuesday. Photographer: Jason Alden/Bloomberg
Por Christian Weinberg
30 de Agosto, 2023 | 06:59 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — A Lego, a maior fabricante de brinquedos do mundo, está se esquivando dos problemas econômicos de curto prazo na China com uma clara aposta em uma classe média em expansão e promete novos investimentos no país.

A empresa abrirá na China novas lojas e aumentará a capacidade de produção, porque vê o crescimento demográfico ajudando o país asiático a se tornar um mercado de crescimento de longo prazo, de acordo com o CEO Niels B. Christiansen.

“Pode parecer estranho investir na China quando o mercado se contrai, mas ainda vemos um potencial muito grande”, disse o CEO em uma entrevista por telefone relacionada ao relatório de lucros da empresa dinamarquesa. Como uma empresa familiar, ela pode se concentrar em perspectivas de longo prazo, disse ele.

Mesmo a curto prazo, a Lego pode encontrar crescimento na China, pois há dezenas de cidades de médio porte onde a empresa ainda não lançou seus conhecidos blocos de construção coloridos, de acordo com Christiansen.

PUBLICIDADE
Lucro da Lego cai em meio a investimentosdfd

A economia da China está desacelerando à medida que os investimentos em propriedades residenciais diminuem, as perspectivas de exportação pioram e a deflação mostra sinais de se estabelecer. Os economistas preveem uma expansão do produto interno bruto de 5,1% em 2023 em relação ao ano anterior, menos do que anteriormente, de acordo com a última pesquisa da Bloomberg.

“Está claro que a incerteza em torno do mercado imobiliário chinês afeta os consumidores, pois eles não vão às lojas e não gastam tanto dinheiro quanto normalmente gastariam”, disse o CEO. “Não sabemos quanto tempo isso vai durar, mas vamos aguardar”.

Na quarta-feira, a empresa informou um aumento de 1,5% na receita global para os primeiros seis meses do ano, para 27,4 bilhões de coroas (US$ 4 bilhões). Enquanto isso, o lucro líquido caiu 18% no período, para 5,1 bilhões de coroas, já que as despesas, que incluem investimentos, aumentaram 10%.

PUBLICIDADE

A Lego espera ultrapassar 500 lojas na China este ano e provavelmente abrirá “cerca de” 100 novas lojas por ano nos próximos anos, disse o CEO. A empresa está ganhando participação em um mercado “em declínio”, disse ele, sem fornecer números exatos.

Há espaço para crescer, já que a região da Ásia e do Pacífico é a menor da Lego em termos de produtos vendidos.

A Lego tem a menor participação nas vendas de produtos na Ásia e no Pacíficodfd

“As pessoas que mais se interessam por nossos produtos e que mais compram são da classe média”, disse Christiansen. “E na China, podemos ver a classe média quase dobrar nos próximos cinco a dez anos.”

A empresa é controlada pela terceira e quarta gerações da família bilionária Kirk Kristiansen. Kjeld Kirk Kristiansen tem um patrimônio líquido de cerca de US$ 7,2 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index, enquanto seus três filhos - Agnete, Sofie e Thomas - têm US$ 6,8 bilhões cada um.

Veja mais em Bloomberg.com