Fabricantes de cerveja esperam recuperação nas vendas com clima favorável e Euro 2024

Heineken, Carlsberg e Anheuser-Busch InBev, estão entre as empresas de cerveja que se beneficiarão se o bom clima coincidir com o campeonato de futebol Euro 2024 em junho e julho

Campeonatos europeus de futebol impulsionam as vendas de cerveja na Europa, especialmente em países maiores como Reino Unido
Por Chloé Meley - Jennifer Creery
08 de Abril, 2024 | 06:38 PM

Bloomberg — Os maiores fabricantes de cerveja do mundo esperam que o clima mais quente e os principais eventos esportivos deste ano os ajudem a se recuperar de um 2023 com vendas mais fracas — mas os fabricantes de destilados ainda podem enfrentar desafios nos próximos meses.

A Heineken, a Carlsberg e a fabricante da Budweiser, Anheuser-Busch InBev, estão entre as empresas de cerveja que se beneficiarão se clima mais quente coincidir com o campeonato de futebol Euro 2024 em junho e julho, segundo a previsão de analistas.

Os campeonatos europeus de futebol impulsionam as vendas de cerveja na Europa, especialmente em países maiores como Reino Unido, França, Espanha, Itália e Alemanha, disse o analista da Bloomberg Intelligence, Duncan Fox.

Se a seleção desses países avançarem para as fases finais, como esperado, os fabricantes de cerveja provavelmente verão um aumento nas vendas. As probabilidades das apostas mostram esses países como favoritos, sendo que a Inglaterra lidera o grupo. Alemanha, Reino Unido e Espanha estão entre os 10 maiores consumidores de cerveja do mundo, segundo a Statista.

PUBLICIDADE

“Se você tiver o tipo de cenário perfeito, com um verão (no hemisfério norte) lindo, a Inglaterra jogando contra a Itália nas finais, ou a Inglaterra contra a França, isso certamente será muito útil para a indústria”, disse o analista do Barclays, Laurence Whyatt.

dfd

Os fabricantes de cerveja, incluindo a Carlsberg, esperam que um clima melhor impulsione as vendas no meio do ano, após um ano de baixas vendas causadas pela quantidade de chuva em toda a Europa em julho e agosto do ano passado, o que fez as pessoas evitarem frequentar bares e, consequentemente, consumirem menos cerveja.

O CEO da Heineken, Dolf van den Brink, chamou o verão passado de “brutal” devido à quantidade de chuva que fez com que as pessoas ficassem em ambientes fechados. Eles podem ter um 2024 melhor, já que o Met Office, agência de meteorologia do Reino Unido, prevê que este ano será mais quente do que o ano passado.

PUBLICIDADE

Grupos de bares esperam que haja um aumento nas vendas, segundo o presidente da JD Wetherspoon, Tim Martin. Ele tem “grandes expectativas para um verão irlandês”, com fortes vendas da Guinness, que “normalmente associada a consumidores mais velhos e do sexo masculino, agora se tornou muito popular entre os consumidores mais jovens”, disse Martin por mensagem de texto.

Grandes campeonatos de futebol não fornecem tanto impulso para a rede de bares em comparação com outros estabelecimentos, já que a JD Wetherspoon só exibe os principais jogos e não é tão focada em esportes.

No entanto, para os fabricantes de conhaques, vodcas e aperitivos, a perspectiva não é tão favorável. Os fabricantes europeus de destilados têm enfrentado dificuldades para manter seu desempenho na era pós-pandemia nos Estados Unidos, onde os cheques de estímulo e as restrições de ficar em casa contribuíram para um aumento nos gastos do consumidor, disse Whyatt à Bloomberg News. Eles também estão mais expostos aos Estados Unidos do que os fabricantes de cerveja europeus.

"Esperava-se que os hábitos das pessoas se formassem, que se você aprendeu a fazer coquetéis em casa, continuasse fazendo isso após o lockdown", disse ele. "Mas o que vimos nos dados no último ano é que todo o crescimento durante a pandemia foi realmente perdido".

Tentar vender marcas de luxo para consumidores nos Estados Unidos foi uma tarefa difícil em 2023, à medida que a crise econômica se aprofundou, e pode continuar sendo assim em 2024. Por outro lado, a cerveja se beneficia de seu status percebido como uma "compra diária" que atrai consumidores com menos dinheiro, de acordo com Duncan Fox, da BI.

dfd

Os fabricantes de destilados também tentam reduzir o estoque, pois varejistas e atacadistas fizeram grandes estoques durante a pandemia. A cerveja não sofreu o mesmo destino, já que sua validade é muito menor, disse a analista do Morgan Stanley (MS), Sarah Simon, em uma entrevista.

No entanto, os coquetéis ainda não estão completamente fora de moda. Por exemplo, a varejista britânica J Sainsbury disse que espera que as bebidas à base de rum e tequila ganhem popularidade, e também antecipa que as pessoas começarão a beber diferentes tipos de Spritz além da versão popular do Aperol.

PUBLICIDADE

E embora a cerveja seja uma aposta para este verão, ela também está vulnerável à inflação e às reduções de preço.

Os fabricantes de cerveja foram obrigados a aumentar os preços para manter o crescimento da receita, já que os consumidores reduziram a quantidade que bebem.

Os desafios também estão aumentando para os fabricantes de destilados na China. O Ano Novo Lunar robusto pode ter proporcionado um impulso, mas a fraca confiança do consumidor, a diminuição da população jovem que cada vez mais evita boates e a ameaça de tarifas sobre a indústria de conhaque podem continuar prejudicando a Remy Cointreau, fabricante do conhaque Remy Martin, e a Pernod Ricard, fabricante do Martell, disse Whyatt.

"Há motivos para ser um pouco mais otimista em relação ao consumidor dos Estados Unidos", disse ele. "Estou muito mais pessimista em relação ao mercado chinês, porque muitas dessas preocupações parecem ser bastante estruturais".

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de Sarah Jacob

Veja mais em Bloomberg.com