Empresa dona das ‘Páginas Amarelas’ busca US$ 350 mi para refinanciar dívida

Thryv Holdings, que encerrou o quarto trimestre com lucro, tem uma dívida de US$ 300 milhões com custo mais elevado e busca melhores condições enquanto continua a operar

A display of Yellow Pages directories seen at the Bloomberg offices in London. June 25 2003.
Por Ellen Schneider - John Sage
03 de Abril, 2024 | 11:43 AM

A Thryv Holdings, a empresa de software que possui as Yellow Pages (Páginas Amarelas no Brasil), tradicional marca de classificados que hoje está disponível também em versão online, realizou discussões com instituições de crédito para obter US$ 350 milhões para refinanciar sua dívida existente, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto que falaram à Bloomberg News.

A empresa com sede em Dallas procura refinanciar sua dívida amplamente sindicalizada, que vence em dezembro de 2026. O Citizens Bank assessora a transação, disseram as pessoas.

A Thryv quitou parcelas significativas de sua dívida como resultado de pagamentos de amortização obrigatórios de US$ 17,5 milhões por trimestre, reduzindo o total de empréstimos para US$ 300 milhões, ante um total anterior de US$ 700 milhões, segundo um documento.

Leia mais: Kodak, ex-gigante da foto, tem novo desafio: uma sobra de US$ 1,2 bi em pensão

PUBLICIDADE

O que resta da dívida tem um custo mais caro, exigindo pagamentos de juros de 8,5 pontos percentuais sobre a Secured Overnight Financing Rate, de acordo com documento.

A empresa pode buscar dívida júnior para evitar o aumento da alavancagem do negócio, de acordo com algumas pessoas.

“Em nossa teleconferência de resultados do quarto trimestre de 2023, afirmamos publicamente nossa intenção de explorar opções de refinanciamento para nosso acordo de crédito em aberto para abordar proativamente a data de vencimento em 2026,” disse Cameron Lessard, VP assistente de tesouraria, desenvolvimento corporativo e relações com investidores da Thryv, em resposta a um pedido de comentário.

PUBLICIDADE

Um representante do Citizens Bank se recusou a comentar.

Em fevereiro, a Moody’s Ratings elevou a perspectiva da Thryv de estável para positiva, à medida que a empresa trabalhou para aumentar sua escala e rentabilidade, enquanto continuava a pagar sua dívida. Sua classificação familiar corporativa ainda está em B3, disse a Moody’s em seu relatório.

No quarto trimestre, a Thryv relatou um lucro ajustado consolidado antes de juros, impostos, depreciação e amortização de US$ 52,3 milhões, abaixo dos US$ 68,2 milhões no mesmo período do ano passado.

Veja mais em Bloomberg.com