Da Rolex a Patek Philippe: a corrida por relógios suíços acabou?

Durante três anos, indústria de luxo desfrutou de onda de interesse recorde, mas agora o cenário está mudando

rolex
Por Andy Hoffmann
10 de Dezembro, 2023 | 10:40 PM

Bloomberg — O maior boom de todos os tempos em relógios de luxo suíços está chegando ao fim.

Durante três anos, a indústria desfrutou de uma onda de interesse renovado que começou durante a pandemia, quando consumidores com muito dinheiro, presos em casa, começaram a desejar relógios de luxo de marcas suíças icônicas.

Isso impulsionou a procura por itens da Audemars Piguet, Rolex e outros, estimulando as exportações de relógios suíços para níveis recordes – quase 25 bilhões de francos (US$ 28,5 bilhões) em 2022.

LEIA +
Fim da primeira classe? Não é o plano da Emirates, diz diretor para o Brasil

Mas agora um acerto de contas está chegando, à medida que múltiplas pressões cobram seu preço. Algumas delas – taxas de juro mais elevadas e crescimento econômico instável – estão fora do controle da indústria. Outras pressões – como aumentos agressivos de preços e da produção – estão vindo de dentro. Mas, em última análise, tudo está atingindo a mentalidade dos que antes eram gastadores despreocupados e sua disposição de gastar muito.

PUBLICIDADE

Os fabricantes de relógios registaram uma diminuição da procura nos últimos meses, enquanto os preços nos mercados secundários caíram. E os executivos – desde as principais marcas históricas até as empresas emergentes que prosperaram durante o frenesi recente – começaram a aceitar que os negócios estão diminuindo rapidamente.

“O que vimos em 2021 e 2022 estava fora do normal”, disse François-Henry Bennahmias, CEO da Audemars Piguet, conhecida pelo seu modelo esportivo Royal Oak e cujos relógios são vendidos nas lojas por uma média de cerca de 50.000 francos suíços. “Não podíamos nem imaginar que iríamos experimentar isso em nossas vidas. Acredito que nunca mais veremos isso.”

A desaceleração é acompanhada de histórias crescentes de enfraquecimento no setor mais amplo de bens de luxo, onde empresas como a LVMH e a Kering, proprietária da Gucci, viram as vendas afetadas pela inflação e pelas preocupações com a recessão. Se isso continuar, minará o poder de fixação de preços e exercerá pressão descendente sobre as margens e os lucros.

PUBLICIDADE

Crise?

A crise dos relógios foi revelada em novembro, quando Richemont, proprietário da Cartier, divulgou resultados semestrais que mostravam um declínio de 3% nas vendas do item e uma queda de 17% nas Américas. O conglomerado suíço possui um conjunto de marcas de luxo, incluindo a Vacheron Constantin – uma das chamadas Santíssima Trindade dos fabricantes suíços, que inclui Audemars Piguet e Patek Philippe.

“O luxo [infelizmente] não é à prova de recessão”, escreveram analistas do HSBC no mês passado, ao alertarem que é um adeus ao “crescimento estelar” dos anos pós-pandemia.

As exportações de relógios suíços diminuíram em julho pela primeira vez em mais de dois anos e o crescimento médio nos últimos meses ficou muito aquém do ritmo do primeiro semestre.

Para relógios usados, os valores vêm caindo há mais de um ano. O índice Bloomberg Subdial Watch, que acompanha os 50 modelos mais negociados por valor, caiu cerca de 42% desde o seu pico em abril de 2022.

Tudo isso está muito longe dos bons tempos, que começaram, ironicamente, quando a pandemia começou no início de 2020.

As instalações de produção foram desativadas para cumprir os bloqueios da covid e as lojas foram fechadas, interrompendo as vendas presenciais. As empresas temiam uma repetição da crise do quartz das décadas de 1970 e 1980, que levou ao desaparecimento de mais de metade das marcas do setor.

Em vez disso, aconteceu o oposto. A pandemia lembrou aos abastados que a vida pode ser frágil e curta. Inspirados por uma nova geração de influenciadores das redes sociais, como Instagram e YouTube, onde exibiam um Rolex Daytona ou um Patek Nautilus, eles decidiram que, quando as coisas voltassem ao normal, voltariam ao mundo com uma declaração de riqueza e bom gosto no pulso.

PUBLICIDADE

Quando os relojoeiros voltaram às suas bancadas, eles se depararam com um enorme acúmulo de pedidos e listas de espera crescentes nas lojas. Houve até entusiasmo no segmento mais barato do mercado quando a Swatch lançou seu MoonSwatch em março de 2022, uma versão econômica do famoso Omega Speedmaster, o primeiro relógio usado na lua.

O boom elevou as exportações de relógios suíços a um recorde em 2021, quando os Estados Unidos ultrapassaram a China como principal mercado, e novamente em 2022. O setor está no caminho certo para outro melhor desempenho de sempre em valor este ano, mas isso foi em grande parte impulsionado pelo primeira metade do ano. Mais recentemente, o mercado parecia mais instável.

“Setembro e outubro foram difíceis”, disse Ben Kűffer, CEO da Norqain, de controle familiar, que fabrica relógios esportivos com preços de entrada entre 3.000 e 5.000 francos. “Muito mais lento que o normal. Nos Estados Unidos, foi definitivamente mais lento”, disse ele, observando que a guerra Hamas-Israel contribuiu para a mudança no sentimento do consumidor.

Kűffer esperava que as vendas crescessem 50% este ano, mas reduziu essa previsão para 30%.

PUBLICIDADE

Balanço

O relatório de outubro da indústria mostrou um crescimento anual de 5%, mas foram os relógios mais baratos que lideraram os ganhos. As exportações de itens com preços entre 500 francos e 3.000 francos caíram em valor, um possível sinal de que os entusiastas estão ficando frustrados com aumentos agressivos de preços.

A indústria relojoeira suíça é significativa tanto no prestígio da cultura popular – pense em James Bond – quanto no peso financeiro. As vendas globais no varejo totalizaram cerca de 48 bilhões de francos em 2022, de acordo com estimativas do Morgan Stanley. O mercado de relógios usados gira em torno de US$ 24 bilhões.

Para a própria Suíça, é uma parte importante da economia, o terceiro maior setor de exportação e emprega cerca de 60.000 pessoas.

A desaceleração já está afetando a indústria. Fornecedores de componentes baseados na Suíça, que antes procuravam pessoal, começaram a cortar cargos, disseram vários executivos da indústria relojoeira. Hodinkee, o influente fornecedor e varejista de conteúdo de relógios com sede nos Estados Unidos, implementou recentemente uma segunda rodada de demissões.

PUBLICIDADE

Algumas das fraquezas emergentes podem ser causadas pela própria indústria. À medida que a procura crescia e a inflação disparava – aumentando os custos – aproveitou a oportunidade para aumentar os preços.

A gigante da indústria Rolex, que fabrica mais de um milhão de relógios por ano com vendas estimadas em mais de 9 bilhões de francos, aumentou os preços duas vezes em 2022. Alterou outra vez em janeiro, quando tradicionalmente os custos dos seus modelos crescem, e novamente em setembro no Reino Unido e, em novembro, nos mercados europeus para compensar a fraqueza da libra e do euro. A Rolex subiu novamente em janeiro deste ano nos Estados Unidos e no Reino Unido.

PUBLICIDADE

As marcas do Grupo Swatch Omega, Longines e Tissot aumentaram os preços na Europa e no Reino Unido em fevereiro. A Omega aumentou os preços em 8% nos Estados Unidos em julho, uma medida que analistas do Morgan Stanley disseram que poderia prejudicar as vendas.

A Jaeger-LeCoultre adicionou mais de 20% ao preço de alguns modelos, enquanto a marca alemã A. Lange & Sohne da Richemont também aumentou os preços.

Juntamente com os aumentos de preços, os relojoeiros também responderam à procura com um aumento na produção.

PUBLICIDADE

“Há muitos relógios no mercado neste momento”, disse Rolf Studer, co-CEO da Oris, uma empresa familiar fundada em 1904. “Os consumidores estão com outros problemas ou encontrando outras formas de gastar o seu dinheiro, por isso há há muito estoque em todos os lugares que deve ser consumido em algum lugar por alguém.”

Poucos executivos da indústria relojoeira viram mais ciclos de expansão e recessão de perto do que Jean-Claude Biver. Ele é o homem que gastou cerca de 20 mil francos para adquirir e reviver a marca Blancpain em 1982, antes de vendê-la à Swatch por supostamente 60 milhões de francos uma década depois.

Também responsável por colocar um Omega no pulso de James Bond quando ele chefiou a marca, Biver disse que os suíços sempre acabam produzindo relógios demais, mesmo quando a demanda diminui.

PUBLICIDADE

Para ele, que lançou recentemente uma nova marca de alto padrão com o filho, trata-se da primazia do cliente.

“Devíamos ter aprendido e ainda não aprendemos porque não temos modéstia suficiente”, disse ele. “Somos um pouco arrogantes. Sentimos que somos o rei do cliente – e é o cliente que é o rei. Você nunca deve reverter isso.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

O broche de R$ 6,6 milhões e as joias mais caras no mercado de luxo brasileiro

Diamante produzido em laboratório chega ao Brasil com Geração Z como alvo