Como a venda aquecida de chocolates reflete o tamanho do desafio do Fed

Compras no mercado americano devem crescer perto de 6% em volume mesmo com preços mais altos, segundo a Euromonitor, após comportamento reprimido durante a pandemia

Chocolates da Cadbury, marca da Mondelez, com vendas em alta nos EUA apesar dos preços mais altos (Foto: Dhiraj Singh/Bloomberg)
Por Carrington York
10 de Julho, 2023 | 06:55 PM

Bloomberg — Os americanos ainda estão dispostos a gastar com chocolate, mesmo que os preços mais altos signifiquem que eles estão recebendo menos pelo dinheiro.

As compras de confeitos de chocolate devem crescer 5,8% neste ano, chegando a quase US$ 26 bilhões, segundo dados da empresa de pesquisa Euromonitor International. Os volumes devem crescer 1,9%. Isso depois de uma queda de 2,7% no ano passado, a maior desde 2009.

A compra está se mostrando resistente graças a um fenômeno conhecido como consumo de indulgência ou vingança, disse Carl Quash, analista da Euromonitor.

LEIA +
Na Ambev, é hora de avisar que o ‘dinossauro’ está conseguindo se reinventar

Os consumidores estão dispostos a gastar em áreas de suas vidas que foram impactadas pela pandemia, como viagens e refeições. E, embora os bloqueios obviamente não tenham tornado impossível comer barras de chocolate em casa, o luxo cotidiano ainda está sendo levado pela tendência.

PUBLICIDADE

Até agora, os preços mais altos do chocolate são o principal fator que leva aos números de vendas maiores.

Os dados das 52 semanas encerradas em 27 de maio mostraram que as vendas em dólares aumentaram cerca de 10% em relação ao período do ano anterior, mesmo com o volume total caindo cerca de 4%, segundo dados da Nielsen. As pessoas estão dispostas a pagar mais por suas guloseimas, salvando a indústria de uma crise semelhante à recessão, como a observada em 2009-2010.

O chocolate “desempenha um papel realmente especial para as pessoas – como uma indulgência, uma guloseima e uma recompensa”, disse Nick Graham, chefe global de insights e análises da Mondelez International, fabricante das marcas Oreos e Cadbury. “O valor emocional que a categoria traz para os consumidores é aquele que justifica os aumentos adicionais de preço.”

PUBLICIDADE

É o mais recente sinal de fragmentação na economia dos EUA que está mantendo o Federal Reserve no caminho para continuar elevando as taxas de juros, apesar das preocupações dos investidores com uma desaceleração mais ampla da economia.

Um mercado de trabalho sólido manteve a confiança do consumidor forte, e o setor de serviços dos EUA está se expandindo, liderado por setores como hotéis, restaurantes e entretenimento. Mas enquanto isso, empresas como a Levi’s estão lutando com compradores sensíveis a preços.

Os consumidores estão “compensando o tempo perdido”, disse Quash, da Euromonitor. “Eles não podiam sair e viajar, fazer atividades. E muitas dessas coisas são realmente propícias para momentos de chocolate.”

A demanda ajuda a proteger os fabricantes de chocolate do aumento dos custos do cacau em meio à redução dos estoques. O cacau negociado em Londres, a referência global, saltou cerca de 20% neste ano e está sendo negociado perto de uma alta de 13 anos. Os preços negociados subiram cerca de 0,7% na segunda-feira (10).

Ameaça do El Niño

Um padrão climático de El Niño corre o risco de interromper ainda mais a produção global, e os principais produtores da Costa do Marfim e Gana já venderam grande parte de sua safra para a próxima temporada.

“Obviamente, é um grande desafio para os próximos meses e estamos monitorando a situação com muita atenção”, disse Catherine Bertrac, vice-presidente sênior da Ferrero, que trabalha na marca Kinder.

Alguns compradores preocupados com a saúde também estão ficando mais preocupados com o consumo de açúcar. Em resposta, os fabricantes de chocolate estão comercializando produtos como barras pequenas para controle de porções.

PUBLICIDADE

A Mondelez está “realmente respondendo à necessidade e ao desejo dos consumidores”, disse Graham. “Eles querem a experiência do chocolate – eles só querem uma forma mais controlada.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Prime Day da Amazon não é mais o gatilho que costumava ser para as ações

Por que a chegada do ‘Pix dos EUA’ se tornou motivo de preocupação no mercado