Negócios

Indústria de aço e carvão sente o impacto de retração na China

Últimos balanços apontam um quadro sombrio para as companhias da velha economia, enquanto há melhores perspectivas para metais ligados à transição energética

Indústria de aço e carvão sente o impacto de retração na China
Por Bloomberg News
28 de Agosto, 2023 | 05:20 AM

Bloomberg — A queda da economia chinesa afeta seu setor de commodities, com os lucros da mineração de carvão e da produção de metais minguando à medida que a crise imobiliária se agrava e a produção de bens e serviços desacelera.

O setor siderúrgico foi o mais atingido, com os ganhos dos produtores de metais ferrosos caindo 91% nos primeiros sete meses do ano, de acordo com dados do National Bureau of Statistics no domingo. Os produtores de metais básicos viram os lucros caírem 37% e as mineradoras de carvão 26%, superando a queda mais ampla de 16% na lucratividade industrial da China.

LEIA +
Evergrande adia votação sobre reestruturação e ações caem quase 90% em Hong Kong

Os últimos relatórios de lucros pintam um quadro sombrio para as empresas enraizadas na velha economia. A Sinopec, principal refinadora de petróleo da China, informou que o lucro líquido do primeiro semestre caiu 19% devido à lenta recuperação.

A China Shenhua Energy, sua maior mineradora de carvão, viu o lucro líquido cair 13% e disse que os preços do combustível básico podem cair novamente no segundo semestre, de acordo com um registro na bolsa de valores.

PUBLICIDADE

Melhores notícias podem estar no horizonte para as empresas de metais ligadas à transição energética.

O Goldman Sachs Group Inc. apontou uma força significativa no consumo de cobre verde da China, com a demanda de veículos elétricos e energia renovável aumentando 74% ao longo do ano até julho, de acordo com uma nota do banco. A Jiangxi Copper Co. também disse que é provável que os preços subam em sua divulgação de balanço.

Carvão térmico negociado no porto de Qinhuangdaodfd

No entanto, é provável que o carvão continue sob pressão. Os preços do combustível, que sustentam a produção industrial da China, caíram quase um terço este ano, depois que Pequim ordenou um aumento maciço no fornecimento para apoiar a reabertura da economia.

PUBLICIDADE

Mas a demanda permaneceu morna e as expectativas de uma forte recuperação das restrições da era Covid não se concretizaram, disse a Fitch Solutions em uma nota na semana passada. Os setores com uso intensivo de energia, como cerâmica, fabricação de vidro e siderurgia, em particular, sofreram perdas significativas devido à sua dependência do mercado imobiliário em dificuldades do país.

LEIA +
Fundos globais abandonam blue chips da China com liquidação bilionária

Mas a perda do setor de mineração é o ganho do setor de energia, já que os geradores aproveitam a queda dos preços do carvão para voltar à lucratividade. O setor viu os lucros aumentarem 51% no ano até julho, de acordo com o departamento de estatísticas. Essa tendência pode continuar nos próximos meses, já que a Shenhua espera que a demanda por eletricidade cresça mais rapidamente no segundo semestre do ano do que no primeiro, de acordo com o registro da empresa.

A Jiangxi Copper, que relatou uma queda de 3% no lucro líquido do primeiro semestre, disse que os preços devem subir no segundo semestre para serem negociados entre 68.000 yuans e 75.000 yuans (US$ 10.300) por tonelada, devido a um mercado apertado.

O maior produtor do país citou as políticas de Pequim para estabilizar o crescimento e o provável fim dos aumentos das taxas de juros dos EUA para seu otimismo. O cobre na Bolsa de Futuros de Xangai foi negociado pela última vez em torno de US$69.000 a tonelada.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Arm usa 3.500 palavras para explicar seus riscos na China antes de IPO

Como a crise da China pode afetar a aposta de aproximação do governo Lula