Por que a Alemanha pode se tornar atraente para investidores, segundo o Goldman Sachs

Dan Dees, co-chefe do banco para mercados globais, acredita que condições de investimento estão melhorando

Co-chefe do Goldman vê Alemanha lutando para reviver sua economia após a crise energética
Por Eyk Henning
24 de Março, 2024 | 12:06 PM

Bloomberg — A economia da Alemanha pode estar em má fase ainda, mas os investidores estão começando a mudar de ideia.

De acordo com Dan Dees, co-chefe da Goldman Sachs (GS) para bancos e mercados globais, as condições para investimentos estão melhorando, as empresas industriais alemãs exploram opções de expansão — embora nos Estados Unidos — e o cenário de startups é tão vibrante quanto em qualquer outro lugar.

“O clima entre os executivos das empresas industriais alemãs é construtivo, mas definitivamente mais sóbrio em comparação com o otimismo das empresas equivalentes nos Estados Unidos e especificamente na Costa Oeste”, disse Dees em uma recente entrevista à Bloomberg News.

Dees, de 53 anos, acabou de retornar de uma visita ao escritório do Goldman Sachs em Frankfurt e sua filial recém-inaugurada em Munique, onde disse que um número crescente de startups de tecnologia — desde inteligência artificial (IA) até tecnologia de saúde e jogos — prometem impulsionar as negociações e investimentos massivos em infraestrutura.

PUBLICIDADE

“Todo país soberano quer construir e possuir capacidade de IA, que precisará de chips, data centers e infraestrutura relacionada”, disse Dees.

A Alemanha luta para reviver sua economia após a crise energética, a demanda global em queda e desafios estruturais de longa data, como uma burocracia desatualizada e uma força de trabalho envelhecida, vieram à tona.

A lista de problemas levanta questionamentos sobre a capacidade do país de permanecer competitivo e atrair investimentos.

PUBLICIDADE

Agora, diante de sinais de que o Banco Central Europeu (BCE) pode reduzir as taxas de juros nos próximos meses, a confiança dos investidores alemães voltou, alcançando neste mês o maior patamar em mais de dois anos.

A redução dos custos de empréstimos seria um catalisador-chave para que as empresas se expandissem e aumentassem os gastos com tecnologia em automação de processos e IA — áreas que Dees afirma que os executivos alemães estão ansiosos para apoiar.

Com o sentimento melhorando e as taxas de juros, a atividade de negócios está finalmente começa a se recuperar após um ano difícil.

O valor das negociações globais subiu 24% este ano para US$ 651 bilhões, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. As negociações envolvendo empresas da Europa, Oriente Médio e África aumentaram 44%.

No entanto, Dees alertou que ainda é cedo para dizer se as negociações continuarão a melhorar nesse ritmo. Não “é preciso fazer suposições audaciosas para ver que as negociações estão aumentando após uma queda de 10 anos por conta da estabilização das taxas de juros, estabilidade econômica e combinação de liquidez e ativos para venda por parte da comunidade patrocinadora”, disse ele.

Analistas afirmam que a Alemanha está no meio de uma recessão após uma contração nos últimos três meses do ano passado e, segundo previsões, entrará em recessão também no primeiro trimestre de 2024.

O recente desempenho econômico fraco do país — ficando para trás de todos os outros países industrializados do G7 — fez ressurgir o apelido de “doente da Europa”, que foi usado para descrever o crescimento anêmico da Alemanha no virar do século antes das reformas estruturais serem implementadas.

PUBLICIDADE

No entanto, Dees rejeitou essa caracterização, afirmando que o sentimento geral entre os executivos alemães, gestores de ativos e fundadores de startups “foi melhor do que eu esperava”.

dfd

Em sua viagem à Europa, Dees também se encontrou com líderes da indústria de tecnologia em Londres neste mês e ficou encorajado com o progresso no setor, dominado por gigantes dos EUA como Microsoft (MSFT) e Apple (AAPL).

“Durante a última década, observamos um crescimento significativo no setor de tecnologia europeia, com o número de unicórnios na Europa chegando a um recorde de 260”, disse ele.

Dees espera que gestores de ativos alternativos, como fundos de infraestrutura, contribuam para a construção da tecnologia relacionada necessária para IA e outras inovações em grande escala nos próximos anos.

PUBLICIDADE

Seus comentários ecoaram os de Raj Agrawal, chefe global de infraestrutura da KKR, que disse em uma entrevista na Bloomberg Television nesta semana que os investimentos em infraestrutura de tecnologia na Europa estão prestes a aumentar.

“A Europa é um dos lugares mais avançados em termos de mobilidade, telefones celulares, conectividade de fibra — então a demanda por uso de dados está lá. Estamos apenas muito atrasados na Europa”, disse Agrawal. “Então há uma enorme história de crescimento pela frente para a Europa e infraestrutura de data center.”

Atualmente, a TSMC está construindo uma fábrica de chips na Alemanha, e o governo federal em Berlim também está em negociações avançadas para comprar o negócio nacional da operadora de rede holandesa Tennet, em um acordo que poderia ser avaliado em cerca de 22 bilhões de euros (US$ 24 bilhões).

Além disso, Dees espera que investidores ativistas pressionem por negociações. “Uma em cada seis empresas do S&P 500 tem um acionista ativista” e muitos deles geralmente pedem a desmembramento das estruturas tradicionais das empresas para aumentar a eficiência, disse ele.

PUBLICIDADE

“Acabamos de abrir um escritório em Munique, que possui uma cena de startups de tecnologia vibrante e tão otimista quanto seus pares em outros lugares”, disse ele.

--Com a colaboração de Anna Edwards.

Veja mais em Bloomberg.com