Opep perde poder sobre os preços do petróleo com alta da produção nos EUA

Volume de petróleo recorde nos Estados Unidos e previsões de esfriamento da economia global fizeram preços do barril caírem, apesar de esforço da Opep+ em reduzir produção

a
Por Grant Smith
08 de Dezembro, 2023 | 02:36 PM

Bloomberg — A coalizão da OPEP+ está vendo sua influência nos mercados globais de petróleo se enfraquecer a cada dia. Os traders de petróleo ignoraram a promessa feita pela Arábia Saudita e seus aliados em 30 de novembro de reduzir ainda mais o fornecimento em 900.000 barris por dia, permanecendo céticos em relação à sua implementação. Apesar das várias tentativas do grupo de fortalecer o sentimento na última semana, os preços caíram 11% para a mínima de cinco meses.

Algumas das figuras mais poderosas do mundo do petróleo, como o chefe de energia da Arábia Saudita e o vice-primeiro ministro da Rússia, emitiram garantias públicas de que os cortes no fornecimento poderiam ser prorrogados além de março. O presidente Vladimir Putin fez uma visita rara a Riad e Abu Dhabi para mostrar a unidade dos produtores de petróleo.

Os traders estão duvidando que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados serão capazes de realizar cortes suficientes para conter um excesso iminente. O crescimento da demanda por combustível está desacelerando e as ofertas concorrentes estão aumentando, especialmente dos produtores de xisto nos EUA.

“O mercado se mostrou muito decepcionado com as medidas da OPEP+,” disse Max Layton, chefe de pesquisa de commodities da Citigroup. As medidas não são suficientes para evitar uma deterioração gradual do equilíbrio do petróleo no próximo ano.

PUBLICIDADE

Os cortes extras anunciados em 30 de novembro só entrarão em vigor em janeiro, e já houve um precedente de que as ações do grupo levam algum tempo para influenciar os preços. Os sauditas anunciaram unilateralmente uma redução na produção de um milhão de barris por dia em junho, mas somente em julho um aumento sustentado nos preços ocorreu.

Por enquanto, as reduções no fornecimento não estão tendo o efeito desejado. Os preços do petróleo caíram quase 25% desde que se aproximaram de US$ 100 o barril em Londres há três meses. Embora esse movimento ofereça alívio para consumidores e bancos centrais após anos de inflação desenfreada, representa uma ameaça econômica aos 23 países da aliança OPEP+. Os futuros do petróleo foram negociados próximo de US$ 70 o barril em Nova York na quinta-feira.

No próximo ano, os mercados globais parecem estar caminhando para uma maior fraqueza, de acordo com a Agência Internacional de Energia, já que a demanda da China está enfraquecida por dificuldades financeiras, enquanto as ofertas em todo o mundo aumentam. A produção de petróleo bruto dos EUA chegou a níveis recordes acima de 13 milhões de barris por dia, impulsionada pelo apoio dado pela OPEP+ aos preços no início deste ano.

PUBLICIDADE

“Todos estão sendo negativos em relação ao petróleo, principalmente porque os EUA aceleraram a produção este ano,” disse Paul Sankey, fundador da Sankey Research LLC, à Bloomberg Television.

Na semana passada, a perspectiva sombria levou o grupo da OPEP+ - que já havia mantido milhões de barris fora do mercado no último ano para sustentar os preços - a intervir novamente. No entanto, os ganhos iniciais de preço logo desapareceram à medida que os novos níveis de produção do grupo foram revelados através de uma série de anúncios de membros individuais da OPEP+, sem as cotas formais usuais ou uma coletiva de imprensa para esclarecer os detalhes.

Apesar de Riad se comprometer a estender sua redução de 1 milhão de barris por dia até março, o reino não ofereceu novas medidas, cuja imensa capacidade de produção tem sido o alicerce de acordos anteriores. Em vez disso, grandes contribuições vieram de países como o Iraque, que têm um histórico irregular de cumprir as cotas.

Enquanto isso, a Rússia continuou a obscurecer suas obrigações exatas, afirmando que seus cortes no fornecimento agora consistiriam em reduções nas exportações de petróleo bruto ou produtos refinados, sendo que estes últimos normalmente não estão sujeitos a limites da OPEP+. Angola, após dias de debates acalorados, rejeitou completamente sua nova cota e insistiu que bombearia o máximo possível.

Analistas fizeram uma crítica severa. A consultoria Vanda Insights classificou o acordo como uma “bagunça confusa e embaraçosa,” enquanto o Banco Julius Baer & Co. afirmou que sua “falta de clareza” poderia arrastar os preços para os $70.

A “ótica ruim” dessa reunião da OPEC+ aumentará os sentimentos negativos no mercado para o próximo ano, disse Bob McNally, presidente da Rapidan Energy Group e ex-oficial da Casa Branca.

A situação é uma grande mudança em relação às ações anteriores da OPEC+, como o corte recorde de 10 milhões de barris por dia que garantiu os preços após uma queda histórica e salvou a indústria do petróleo quando a demanda desmoronou durante a pandemia de Covid-19 em 2020.

PUBLICIDADE

O sentimento não melhorou quando a OPEC+ revelou que conseguiu recrutar o Brasil para sua aliança, apenas para o presidente Luiz Inacio Lula da Silva explicar prontamente que sua entrada pretendia acelerar a aposentadoria dos combustíveis fósseis pelo grupo.

Nos dias seguintes, altos funcionários da aliança fizeram esforços para reverter a situação. O ministro de Energia saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, disse à Bloomberg Television na segunda-feira que a coalizão de 23 nações poderia “absolutamente” estender as medidas além do primeiro trimestre do próximo ano. Ele afirmou que os cortes prometidos “acontecerão” na íntegra e evitarão o aumento de estoques no próximo trimestre, provando os críticos do acordo “absolutamente errados.”

Os preços inicialmente deram sinal de melhora após a declaração do príncipe, mas logo voltaram a cair. Seu sentimento foi ecoado no dia seguinte pelo vice-primeiro ministro russo, Alexander Novak, e na quarta-feira pelo ministro argelino de Energia e Minas, Mohamed Arkab, mas novamente com pouco impacto.

“O mercado parece pouco convencido com relação às nações petroleiras,” disse Norbert Ruecker, chefe de economia do Banco Julius Baer & Co. A situação resultante é de “excepcional depressão.”

PUBLICIDADE

A coalizão não tem uma reunião agendada até junho e ainda não marcou uma data para a próxima reunião do comitê ministerial influente que supervisiona os cortes, algo que normalmente acontece a cada dois meses. Para revitalizar os mercados em declínio, o Citigroup especula que a OPEC+ poderia convocar outra reunião de emergência até o final do ano. Outros ponderam se ela mudará totalmente de direção.

“A estratégia da OPEP parece frágil,” porque apoiar os preços significa simplesmente financiar uma maré de petróleo de xisto dos EUA, disse Doug King, diretor de investimentos do Merchant Commodity Fund. Riad também está cedendo clientes para o rival político Irã, que restaurou sua produção para uma alta de cinco anos contornando as sanções americanas, segundo Sankey.

“Um plano mais lógico” para o grupo seria abrir as torneiras e fazer os preços despencarem, assim como fizeram em 2014, disse King. Isso aumentaria a demanda e “redefiniria de forma significativa o xisto,” acrescentou.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Setor de óleo e gás ganha fôlego em LatAm, com investimentos previstos de US$ 500 bi