Nos EUA, empresas adiam investimentos com taxa de juros mais alta por mais tempo

Adiamento das perspectivas de cortes de juros por parte do Federal Reserve tem levado a um aperto financeiro para as empresas

Inside Lodge Manufacturing Facility As U.S. Factory Output Rises
Por Mark Niquette - Michael Sasso
11 de Junho, 2024 | 03:49 PM

Bloomberg — As empresas e os consumidores americanos começaram o ano pensando que as taxas de juros finalmente cairiam, e fizeram grandes planos para comprar equipamentos ou casas. Agora muitos desses projetos estão suspensos, podendo levar a uma desaceleração de grandes setores da economia em um futuro próximo.

Em Michigan, um fabricante de ferramentas de cortes adiou os planos de investir até US$ 1 milhão este ano em novos equipamentos. Em Atlanta, um fabricante de máquinas para trabalhar madeira diz que alguns clientes têm tentado prolongar a vida útil dos equipamentos.

Quando a queda da inflação estagnou no início deste ano e as autoridades do Federal Reserve decidiram manter a taxa de juros no um nível alto de 23 anos por mais tempo, isso forçou as empresas a repensar os investimentos em despesas de capital, estoques e contratações. Nesta quarta-feira (12), espera-se que os diretores do Fed mantenham os juros novamente estáveis após sua reunião de política monetária.

Leia também: Banco Central se tornou a ‘única âncora’ do mercado, diz Alberto Ramos, do Goldman

PUBLICIDADE

Para as empresas, as dificuldades aparecem nos dados. A S&P Global Market Intelligence projeta que os investimentos de capital aumentarão apenas 3,9% este ano no setor industrial, abaixo da estimativa de janeiro de 6,7%.

Os pedidos de recuperação judicial de empresas nos EUA aumentaram em mais de 40% durante o ano passado até o final de março, enquanto os pedidos pessoais aumentaram 15%, de acordo com o Administrative Office of the US Courts.

dfd

Em um relatório de 5 de junho do Institute for Supply Management (ISM), a maioria dos entrevistados do setor de serviços indicou que a inflação e as taxas de juros atuais impedem a melhoria das condições de negócios.

Em janeiro, eles diziam se sentir otimistas em relação ao possível impacto dos cortes nas taxas de juros, disse Anthony Nieves, presidente do ISM Services Business Survey Committee.

A decisão do Fed de manter as taxas de juros mais altas por mais tempo do que o esperado também semea incertezas em todo o mundo, ao mesmo tempo em que pressiona ainda mais os consumidores endividados e atrasa as compras de imóveis.

“Sem dúvida, você tem que puxar as rédeas quando as taxas de juros estão altas”, disse Patrick Curry, presidente da Fullerton Tool, de Michigan. “Temos que adiar algumas coisas e tentar fazer o melhor com os equipamentos que temos.”

Com duas instalações na cidade de Saginaw, em Michigan, e uma na Califórnia, que fabricam ferramentas de corte para as áreas aeroespacial, automotiva e médica, entre outras, a Fullerton, de 81 anos, adiou cerca de US$ 1 milhão em investimentos com atualizações de equipamentos e os clientes não estão comprando tantos equipamentos, disse Curry.

PUBLICIDADE

A previsão do ISM de 15 de maio mostrou que os líderes das empresas esperam um aumento de apenas 1% nas despesas de capital este ano, abaixo da estimativa de dezembro de 2023 de quase 12%.

dfd

Os investidores precificam cerca de 1,5 corte nas taxas de juros este ano. Se o Fed começar a cortar as taxas por volta de setembro, como o mercado precifica, os investimentos em negócios e software devem aumentar na segunda metade do ano, disse o executivo-chefe da Equipment Leasing and Finance Association, Leigh Lytle, em um comunicado.

Ao norte de Atlanta, ainda há demanda por serras e furadeiras pesadas usadas na fabricação de armários e móveis, disse Blair Chandler, gerente de financiamento e leasing de equipamentos da SCM North America, fabricante de máquinas para trabalhar madeira.

Enquanto os grandes clientes ainda realizam compras, os clientes menores da empresa tentam prolongar a vida útil dos equipamentos antigos, disse Chandler.

"Tenho visto empresas menores gastando dinheiro para manter seus equipamentos em funcionamento, e elas estão tendo que se convencer a comprar esses novos equipamentos", acrescentou.

Aumento dos custos

As pequenas empresas também sofrem com a pressão das altas taxas de empréstimo, da inflação persistente e dos salários, que ainda estão crescendo mais de 4% ao ano, de acordo com dados do governo até maio.

Cerca de 6% das pequenas empresas disseram que o financiamento era o principal problema de seus negócios em maio, a maior proporção em quase 14 anos, de acordo com a National Federation of Independent Business.

As taxas de inadimplência de empréstimos para pequenas empresas em abril atingiram uma taxa anual de 3,2%, igualando seu nível mais alto em pelo menos uma década, de acordo com a agência de crédito Equifax.

As empresas também estão sentindo o impacto das hipotecas com taxas ajustáveis.

As taxas de empréstimo para o Gastamo Group, uma empresa de restaurantes com sede em Denver, dobrarão para até 8% a partir de dois anos. Isso não é pouca coisa: a empresa tem empréstimos de até US$ 3 milhões em algumas de suas propriedades, disse Peter Newlin, diretor da empresa.

Enquanto isso, o aluguel subiu até 30% nos imóveis alugados pelo Gastamo Group, o que Newlin atribui ao fato de os proprietários repassarem seus próprios custos de juros mais altos. Isso ocorre porque os clientes estão reduzindo os gastos, disse Newlin.

dfd

Em Tampa, na Flórida, Dilip Kanji, proprietário da empresa hoteleira Impact Properties, suspendeu os planos de abrir três novos hotéis até que os juros caiam. As taxas de juros dos empréstimos para construção subiram de cerca de 5% para até 9%. Considerando que Kanji espera financiar cerca de US$ 42 milhões do custo total combinado de US$ 60 milhões, esse é um aumento considerável.

Como outros hoteleiros, ele renovou empréstimos em algumas de suas propriedades a taxas muito mais altas e pode arcar com o custo por enquanto. Mas ele vai jogar pelo seguro. "Estamos apenas esperando por um pouco de espaço para respirar na dívida para dar andamento a esses projetos."

Dívida

Para as famílias dos EUA, a dívida atingiu um recorde de US$ 17,7 trilhões no primeiro trimestre de 2024, de acordo com um estudo recente do Fed de Nova York.

Os consumidores acham que seu aperto financeiro continuará. Apenas cerca de um quarto dos entrevistados na pesquisa de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan agora espera que as taxas de juros caiam este ano, contra 32% em abril.

dfd

Entre as empresas, as expectativas são igualmente sombrias. Em 2 de junho, o relatório de manufatura do ISM mostrou uma nova contração da atividade fabril dos EUA em maio.

Em uma ligação com os repórteres após a divulgação do relatório, Timothy Fiore, presidente do ISM Manufacturing Business Survey Committee, disse: "A incerteza é o diabo dos negócios, e é exatamente aí que nos encontramos hoje."

-- Com a colaboração de Claire Ballentine e Marie Monteleone.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Bradesco Asset vê ‘assimetria muito grande’ no mercado e aposta em juro real

IPCA acelera mais que o esperado pelo mercado em maio e chega a 0,46%