Não é só o bitcoin. Por que o ouro também atingiu cotação recorde

Preço da onça no mercado à vista chegou a mais de US$ 2.140 nesta terça-feira; analistas apontam para fatores como riscos geopolíticos e apostas em flexibilização monetária

.
Por Yvonne Yue Li - Jack Ryan
05 de Março, 2024 | 08:24 PM

Bloomberg — O ouro atingiu uma alta histórica nesta terça-feira (5) conforme a compra de fundos combinada com a especulação sobre uma nova mudança de postura do Federal Reserve e riscos geopolíticos e financeiros sustentaram um rali no metal precioso.

O preço do ouro chegou a subir até 1,3%, para US$ 2.141,79, a onça antes de reduzir os ganhos. Com essa alta, superou o recorde anterior de US$ 2.135,39 estabelecido três meses atrás.

O ouro subiu mais de 4% desde a última quinta-feira (29), impulsionado por expectativas de flexibilização monetária, tensões geopolíticas e o risco de uma correção nos mercados de ações.

Fundos macro e o momentum de compra por advisors de trading de commodities contribuíram para o ganho, de acordo com o estrategista de commodities da TD Securities, Ryan McKay.

PUBLICIDADE

A magnitude do movimento surpreendeu alguns observadores de mercado, especialmente porque não houve uma mudança significativa nas expectativas para a mudança de postura do Fed ou outros dados macroeconômicos como catalisadores durante esse período.

“A velocidade e a rapidez foram muito repentinas, muito rápidas,” disse James Steel, analista do HSBC Holdings. “Não parecia ter uma causa direta.”

O crescente risco de uma correção no mercado de ações - sinalizado pelos dados fracos da indústria dos EUA na sexta-feira (1) - pode ter persuadido alguns investidores a sair das ações e investir em ouro, disse Ole Hansen, estrategista de commodities do Saxo Bank.

PUBLICIDADE

Embora o momento exato da mudança de postura do Fed permaneça incerto, sinais de que isso está se aproximando têm sustentado o preço do ouro desde meados de fevereiro.

Os mercados de swaps mostram uma chance de 64% de um corte na taxa em junho, uma probabilidade maior do que no início do mês passado. Custos de empréstimos mais baixos são tipicamente positivos para o metal precioso, que não oferece nenhum juro.

Fundos macro, que não estiveram ativos no mercado de ouro até recentemente, representaram uma nova força de compra no rali do ouro.

Os últimos dados da CFTC mostraram que fundos hedge e gestores de fundos aumentaram suas apostas otimistas líquidas em ouro até 27 de fevereiro - embora seja digno de nota que esse grupo de investidores adicionou posições de venda em linha com novas apostas também de compra, indicando incerteza no mercado, de acordo com McKay, da TD.

A compra relacionada a opções acima do preço de exercício de US$ 2.100 também ajudou a impulsionar o rali, segundo Steel, do HSBC.

ETFs de ouro: queda

Os ganhos recentes do ouro também destacaram uma desconexão crescente entre os preços à vista e as saídas de fundos negociados em bolsa lastreados em ouro. O patrimônio alocado no SPDR Gold Shares, o maior ETF desse tipo no mundo, caiu 0,3% na segunda-feira (4), levando o total ao nível mais baixo desde julho de 2019, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Essas saídas foram parcialmente compensadas pela demanda persistente dos bancos centrais pelo metal precioso, o que ajudou a manter os preços elevados mesmo quando as taxas de juros reais dispararam no ano passado.

PUBLICIDADE

A demanda física por barras de ouro e moedas também absorveu o ouro que saiu dos ETFs. O ouro também foi apoiado durante o Ano Novo Lunar na China, enquanto os consumidores chineses buscavam uma proteção contra a turbulência do mercado de ações e do setor imobiliário do país.

Nos primeiros meses deste ano, o papel do ouro como ativo de refúgio está sendo enfatizado pelos riscos geopolíticos elevados, com ataques a navios no Mar Vermelho que sinalizam tensões crescentes no Oriente Médio. As dificuldades econômicas da China e a eleição presidencial dos EUA no final deste ano tornam a situação potencialmente volátil.

“A especulação sobre uma mudança de postura do Fed e as tensões geopolíticas contínuas mantêm o ouro brilhando,” disse Ewa Manthey, estrategista de commodities do ING Groep. “Esperamos que os preços do ouro subam neste ano à medida que a demanda de refúgio continue sendo favorável em meio à incerteza geopolítica com guerras em andamento e a próxima eleição nos EUA.”

Recorde do bitcoin

Ainda assim, o ouro tem mais a percorrer para alcançar seus picos ajustados pela inflação estabelecidos há mais de uma década. O ouro subiu mais de 600% desde o início do milênio, embora, ajustado pela inflação, ainda permaneça abaixo da alta para US$ 850 alcançada em janeiro de 1980, o que seria equivalente a mais de US$ 3.000 nos dólares de hoje.

PUBLICIDADE

O impulso do ouro para uma nova alta histórica ocorre no momento em que o bitcoin também disparou para um valor recorde histórico. Embora haja argumentos de que alguns investidores procuram segurança em ambos os ativos, “é muito cedo para dizer se o bitcoin é um porto seguro ou não,” disse Ryan McIntyre, gestor sênior de portfólio da Sprott Asset Management.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Bitcoin supera US$ 69.000 e atinge recorde histórico depois de 2 anos e meio