Michael Wilson, um dos mais pessimistas em Wall St, eleva meta para ações em NY

Estrategista do Morgan Stanley prevê agora alta de 2% do S&P 500 até junho de 2025, uma mudança significativa em relação à sua previsão anterior de que o índice cairia 15% até dezembro

Michael Wilson
Por Farah Elbahrawy
20 de Maio, 2024 | 12:34 PM

Bloomberg — Um dos estrategistas pessimistas mais proeminentes de Wall Street ficou mais otimista com as perspectivas para as ações americanas.

Michael Wilson, do Morgan Stanley (MS), prevê agora que o S&P 500 deverá subir 2% até junho de 2025, uma mudança significativa em relação à sua previsão anterior de que o índice cairia 15% até dezembro.

O estrategista – cuja previsão pessimista para 2023 não se concretizou – finalmente cedeu e aumentou sua projeção de 12 meses para o índice S&P 500 de 4.500 para 5.400 pontos. Isso muda sua previsão de uma das mais baixas de Wall Street para um novo recorde para o índice.

Gráfico: apostas do estrategista do Morgan Stanley para o S&P 500dfd

“Nos Estados Unidos, prevemos um crescimento robusto dos lucros por ação, juntamente com uma modesta compressão dos múltiplos”, escreveu Wilson em relatório a clientes.

PUBLICIDADE

De forma geral, o banco espera um ambiente macroeconômico positivo, que apoiará os ativos de risco no segundo semestre, embora Wilson tenha reiterado sua opinião de que as perspectivas mais amplas para a economia se tornaram difíceis de prever, diante de dados mais voláteis.

O salto de 20% na projeção de Wilson deixa Dubravko Lakos-Bujas, do JPMorgan (JPM), entre os poucos pessimistas de peso remanescentes em Wall Street. Sua previsão aponta para uma queda de mais de 20% no S&P 500 até o final do ano.

Os estrategistas do Deutsche Bank também elevaram sua projeção de final de ano para o índice, de 5.100 para 5.500 pontos.

Wilson recomenda uma abordagem balanceada com ações cíclicas de qualidade e papéis de crescimento de qualidade, e mantém posição comprada (aposta na alta) em setores defensivos, como bens de consumo básico, concessionárias de energia e demais empresas de utilities.

Veja mais em bloomberg.com