Larry Summers, ex-secretário do Tesouro, critica Fed por ‘ansiedade’ para cortar juros

Em entrevista à Bloomberg TV, Summers afirmou que o Fed sinaliza redução de juros enquanto as projeções de inflação e atividade apontam para outra direção

Larry Summers Photographer: Stefan Wermuth/Bloomberg
Por Christopher Anstey
22 de Março, 2024 | 02:57 PM

Bloomberg — O ex-secretário do Tesouro, Lawrence Summers, criticou o Federal Reserve por continuar a sinalizar que está preparado para reduzir as taxas de juros nos próximos meses, apesar das projeções de inflação alta e da atividade econômica forte.

“Ainda sinto que o Fed está com os dedos nervosos para começar a cortar as taxas e não entendo completamente”, disse Summers no programa Wall Street Week da Bloomberg Television com David Westin.

Dado o desempenho da economia e dos mercados financeiros, “não sei por que estamos com tanta pressa para falar sobre nos dirigirmos para o acelerador”, disse ele.

Summers falou um dia depois de os diretores do Fed atualizarem suas previsões para a taxa de juros de referência do banco central americano, com a estimativa média continuando a mostrar três reduções para este ano.

PUBLICIDADE

Leia também: Reddit: salto de 48% em estreia na bolsa pode abrir caminho para novos IPOs

O presidente do Fed, Jerome Powell, disse que, embora “não queiramos ser despreocupados” com as leituras de inflação mais acelerada do que o esperado para janeiro e fevereiro, elas “não mudaram realmente a história geral” de diminuição gradual de pressões de preços.

Um problema-chave continua sendo que a estimativa do Fed para a taxa de juros neutra - o nível em que não estimula nem desacelera a economia - é muito baixa, disse Summers, professor da Universidade Harvard e comentarista remunerado para a Bloomberg TV. Essa distorção significa que os formuladores de políticas acreditam que sua configuração atual é mais restritiva do que realmente é, disse ele.

PUBLICIDADE

“Se você não sabe o que é neutro, não sabe o quão expansionista ou restritivo está sendo”, disse Summers.

Embora a previsão média para a taxa de referência a longo prazo, divulgada na quarta-feira, tenha subido para 2,6% de 2,5%, Summers reiterou que o valor real é provavelmente de pelo menos 4%. Isso se compara com a faixa-alvo atual do Fed de 5,25% a 5,5%.

“Não tenho certeza de quão restritiva é realmente a política monetária”, disse Summers. À medida que o Fed começou a elevar as taxas há dois anos, “a política monetária teve muito tempo” para funcionar, e ainda assim “a economia continua surpreendendo no lado positivo”, disse ele.

A taxa de desemprego está “até abaixo”, do que o Fed considera ser um nível de pleno emprego, disse ele. A previsão de longo prazo dos formuladores de políticas para a taxa de desemprego é de 4,1%. A leitura de fevereiro foi de 3,9%.

Enquanto isso, os formuladores de políticas esperam que a inflação exceda a meta de 2% do Fed este ano e no próximo, destacou o ex-chefe do Tesouro.

O crescimento econômico também está superando o potencial de longo prazo do país, e as condições financeiras estão “em um nível muito flexível”, disse Summers. “Os spreads de crédito estão piscando verde e flexíveis.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

China afrouxa câmbio e yuan sofre pior depreciação em dois meses

Bitcoin caminha para a pior semana do ano com menor demanda por ETFs