Índices futuros da Ásia abrem em queda depois de perdas em Nova York

Mercados asiáticos apontam para uma abertura em baixa enquanto os investidores se preparam para a divulgação do PCE na sexta-feira

Bolsa de Hong Kong
Por Jason Scott
25 de Março, 2024 | 08:37 PM

Bloomberg — As ações asiáticas apontavam para uma abertura em baixa depois que os índices dos EUA recuaram, alimentando especulações de que o rali no mercado foi longe demais, rápido demais.

Os futuros mostraram que as ações na Austrália devem cair na terça-feira (26). O índice de referência de Hong Kong indicava um começo estável e o Japão subia ligeiramente. Em Wall Street, o S&P 500 fechou em baixa no início de uma semana que trará a divulgação da medida de inflação preferida pelo Federal Reserve.

Os investidores adotaram uma postura cautelosa em apostas de que o Índice de Preços de Despesas de Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês) - previsto para a Sexta-feira Santa, quando os mercados estarão fechados - mostrará que a inflação permanece desconfortavelmente alta. No mesmo dia, Jerome Powell deve falar.

Na segunda-feira, um senso de prudência prevaleceu à medida que cresceu a preocupação com uma desconexão entre as expectativas de lucros e os preços das ações.

PUBLICIDADE

Os estrategistas do Morgan Stanley e do JPMorgan Chase foram os últimos a alertar que será difícil justificar os valuations elevados se a aceleração dos lucros não se materializar.

“Continuamos a ver o sentimento como esticado e achamos que uma correção no mercado de ações dos EUA é necessária”, disse Lori Calvasina, da RBC Capital Markets.

Em um sinal de quão aquecido o mercado de ações tem estado, o S&P 500 terminou a semana passada 14% acima de sua média móvel de 200 dias.

PUBLICIDADE

Na Ásia, o foco tem sido nos dois maiores bancos centrais da região, que buscam conter movimentos especulativos nos mercados de câmbio.

O yuan chinês reduziu as perdas vistas na sexta-feira depois que o banco central sinalizou seu apoio à moeda gerenciada por meio de uma taxa de referência diária mais forte do que o esperado.

Enquanto isso, a principal autoridade de câmbio do Japão disse que a queda do iene para perto de um nível de intervenção de 2022 não estava “em linha com os fundamentos e é claramente impulsionada pela especulação”.

A combinação de dados econômicos saudáveis dos EUA, expectativas de que o Fed irá reduzir os juros e o otimismo sobre a inteligência artificial têm impulsionado o S&P 500 quase 10% este ano - deixando muitas previsões de final de ano para trás.

Os estrategistas do Goldman Sachs Group mantém sua previsão de final de ano de 5.200 pontos - mas têm um cenário em que as megacaps de tecnologia levam o índice até 6.000 pontos.

“Embora o otimismo em relação à IA pareça alto, as expectativas de crescimento de longo prazo e as avaliações das maiores ações ainda estão longe do território de ‘bolha’”, escreveram os estrategistas liderados por David Kostin.

O humor entre os investidores em ações provavelmente se espalhará além dos nomes de tecnologia que compuseram grande parte dos retornos do mercado de ações para outros setores, de acordo com estrategistas do Instituto de Investimento da BlackRock.

PUBLICIDADE

Os fortes lucros corporativos, a resiliência econômica diante das taxas de juros mais altas e as “perspectivas de inovação” levaram John Stoltzfus, da Oppenheimer Asset Management, a elevar sua meta de final de ano no S&P 500 para 5.500 pontos - juntando-se ao Societe Generale para a maior previsão em Wall Street.

“A grande surpresa este ano não foi tanto a resiliência da economia, mas sim a capitulação substancial entre os ursos e a comunidade pessimista”, disse Stoltzfus.

A realização de lucros, especialmente das big techs, é esperada e normal - e qualquer volatilidade de curto prazo é uma oportunidade para “pegar bebês que são jogados fora com a água do banho”, observou.

Em outros mercados, o ouro subiu na segunda-feira em direção ao recorde da semana passada, enquanto os futuros do petróleo subiram por causa da instabilidade geopolítica e sinais de que a Opep+ manterá os cortes de produção atuais quando os delegados realizarem uma sessão de revisão na próxima semana. Ambos permaneceram pouco alterados na terça-feira de manhã.

Veja mais em Bloomberg.com