Ibovespa cai puxado por Vale e Ambev; em NY, índices sobem apesar de payroll

Ações da mineradora e da fabricante de bebidas recuaram e puxaram o índice para baixo; nos EUA, investidores focaram no copo meio cheio do mercado de trabalho aquecido

After Hours
05 de Abril, 2024 | 06:07 PM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) fechou em queda de 0,50% nesta sexta-feira (5), aos 126.795 pontos, em um pregão marcado pela divulgação de dados de emprego nos EUA e pelo segundo dia de especulações sobre uma eventual troca de comando na Petrobras (PETR3; PETR4). O dólar (USDBRL) subia 0,24% e era negociado a R$ 5,07 no fechamento.

O resultado do dia foi afetado principalmente pelo recuo das ações da Vale (VALE3), que caíram com a fraqueza do minério de ferro no mercado internacional, e também pelos papéis da Ambev (ABEV3).

A fabricante de bebidas fechou com perdas depois de analistas anteciparem um desempenho mais fraco no primeiro trimestre em razão do menor crescimento de vendas de cerveja no Brasil em volume.

O Itaú Unibanco (ITUB4) também caiu, contribuindo para o desempenho negativo do índice no dia.

PUBLICIDADE

A Petrobras esteve no foco com as especulações pelo segundo dia seguido em torno de uma possível saída de Jean-Paul Prates do comando da empresa.

Os papéis da empresa oscilaram durante o dia e fecharam sem direção única. Enquanto as ações preferenciais subiram 0,58% com uma possível decisão do conselho sobre a distribuição de dividendos extraordinários, as ordinárias recuaram 0,20%.

Ainda no âmbito corporativo, o Itaú BBA elevou para outperform (recomendação acima da média do mercado, equivalente a compra) as ações da B3 (B3SA3). “Este parece ser um daqueles momentos extremos de baixa que eventualmente prova ser um ponto de entrada”, escrevem os analistas liderados por Pedro Leduc, em relatório.

PUBLICIDADE

A revisão para cima dos papéis da bolsa brasileira acontece um dia depois de o Santander (SANB11) também ter elevado a recomendação da B3 para compra. Os papéis fecharam esta sexta em alta.

Payroll

Os investidores também reagiram nesta sexta à divulgação do relatório de empregos dos EUA, que mostrou a criação de 303.000 vagas em fevereiro. O resultado, que ficou acima dos 231.000 postos registrados no mesmo mês do ano passado, veio maior que as previsões de economistas consultados pela Bloomberg, que estimavam a criação de 214.000 postos.

Os dados sinalizam que, apesar dos juros altos, o mercado de trabalho segue resiliente. Apesar de o resultado indicar que o Federal Reserve (Fed) não deve ter pressa para iniciar o ciclo de cortes de juros, os investidores preferiram olhar o copo meio cheio, com a expectativa de maior resiliência dos lucros das empresas.

Na medida em que os gastos do consumidor e os lucros corporativos são mais importantes para os investidores do que o quão breve - e quantas vezes - o Fed vai reduzir as taxas, então as ações podem subir, de acordo com Chris Zaccarelli, da Independent Advisor Alliance.

“O número de cortes de taxas e se começarão em junho ou julho não é tão importante quanto se o Fed está em modo de corte de taxas ou não”, observou. “Para dizer de outra forma, 4 ou 3 ou 2 cortes de taxas em 2024 são igualmente bons para o mercado de ações. Mas se fôssemos para zero cortes de taxas ou um aumento de taxa, então todas as apostas estariam canceladas e isso seria categoricamente ruim.”

O relatório de empregos indica que a economia continua resiliente mesmo diante das expectativas em declínio de cortes do Fed, diz Glen Smith da GDS Wealth Management. “O fato de o mercado de trabalho estar tão forte mostra que as empresas e a economia estão se adaptando a taxas de juros altas”, observou.

O efeito maior foi no mercado de juros. Os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos subiram nove pontos-base para 4,40%.

PUBLICIDADE

Contratos futuros reduziram a probabilidade de corte de taxa em junho para cerca de 52%. Para julho, a probabilidade caiu abaixo de 100%, e para todo o ano de 2024, os traders precificaram cerca de 65 pontos-base de cortes de taxa, menos do que a previsão mediana de 75 pontos-base dos funcionários do Fed no mês passado.

A presidente da regional de Dallas do Federal Reserve, Lorie Logan, afirmou que é muito cedo para considerar cortes nas taxas, citando leituras recentes de alta inflação e sinais de que os juros podem não estar segurando a economia tanto quanto se pensava anteriormente.

A diretora do Fed Michelle Bowman também expressou preocupação com os possíveis riscos para a inflação, reiterando que ainda não é hora de reduzir as taxas.

- Com informações da Bloomberg News.