Mercados

Empresas ressaltam foco em controle de custos durante temporada de balanços nos EUA

De acordo com o Morgan Stanley, o número de menções a ‘eficiência operacional’ foi o mais alto já registrado nos EUA durante teleconferências com analistas

Bolsa de Nova York. Foto: Michael Nagle/Bloomberg
Por Farah Elbahrawy
12 de Fevereiro, 2024 | 01:22 PM

Bloomberg — Empresas dos Estados Unidos têm discutido fazer controle de custos em teleconferências de balanços trimestrais a uma taxa recorde, em meio a um movimento de realocar recursos e investir em novas tecnologias, de acordo com uma análise dos estrategistas do Morgan Stanley (MS).

O número de menções a “eficiência operacional” atingiu o nível mais alto já registrado nos EUA nesta temporada de balanços, já que as empresas estão focadas no controle de despesas, mas também investem em tecnologias “que podem impulsionar a produtividade futura, como AI”, escreveu uma equipe liderada por Michael Wilson em uma nota.

LEIA +
Nvidia e Cisco fazem acordo para expandir serviços de inteligência artificial para empresas

Há uma sobreposição entre os setores que discutem a eficiência operacional da forma mais prevalente e aquelas que discutem IA, disseram os estrategistas. Esses grupos incluem empresas de software, serviços profissionais, serviços de saúde e serviços financeiros.

Pfizer (PFE), BlackRock (BLK) e Lam Research (LRCX) estão entre as empresas do S&P 500 que destacam a eficiência operacional em suas teleconferências com acionistas nesta temporada de balanços, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

O aumento do foco no controle de custos ocorre à medida que as empresas se posicionam para proteger as margens em meio às expectativas de um pouso suave da economia.

 Fonte: Bloombergdfd

Os investidores têm procurado sinais de resfriamento no mercado de trabalho para avaliar quando o Federal Reserve vai reduzir os juros, embora dados recentes indiquem que o Fed não vai diminuir a taxa tão cedo.

A gestão de despesas tem sido um tema chave nesta temporada. A Walt Disney (DIS) disse que o lucro este ano aumentará pelo menos 20% graças aos cortes de custos.

PUBLICIDADE

A Hertz (HTZ) busca reduzir custos e a Levi Strauss (LEVI) disse que uma nova iniciativa para aumentar a eficiência incluirá operações de corte de custos, como a eliminação de empregos.

Algumas empresas estão realocando esses recursos para expandir seus negócios. A Estée Lauder (EL) está reduzindo empregos como parte de um plano de reformulação para permitir uma resposta mais rápida às novas tendências de beleza e investir mais em suas marcas.

A Meta Platforms (META) está gastando de maneira agressiva em avanços de inteligência artificial enquanto a Amazon (AMZN) será cautelosa em relação a novos investimentos.

LEIA +
Companhias aéreas devem enfrentar gargalos durante anos, dizem executivos do setor

As teleconferências recentes também enfatizaram “a natureza temporária de certos problemas de custo” e algumas expectativas de recuperação na segunda metade do ano, de acordo com outra nota da estrategista do RBC Capital Markets, Lori Calvasina.

No campo da inteligência artificial, todos os olhos estarão voltados para a Nvidia (NVDA), que deve divulgar seus resultados ainda este mês.

Até agora nesta temporada, a Arm Holdings (ARM) disparou à medida que os gastos com inteligência artificial ajudaram a impulsionar o prognóstico do designer de chips. A Palantir Technologies (PLTR) também se beneficiou da grande demanda por sua tecnologia de IA.

O desafio é grande para a Nvidia, que tem sido a maior beneficiária da tendência de IA. Os analistas estimam que o lucro por ação aumentará 602% no trimestre fiscal que termina em 31 de janeiro em relação ao ano anterior.

PUBLICIDADE

O grupo de grandes empresas de tecnologia conhecido como “As sete magníficas”, incluindo Nvidia, precisa apresentar resultados excelentes para continuar superando o mercado em geral, de acordo com vários estrategistas.

Recentemente, o Wilson, do Morgan Stanley, listou a Nvidia, Apple, Microsoft e Alphabet entre um grupo de ações de crescimento de alta qualidade que têm classificações acima do peso pelos analistas do banco.

O estrategista é otimista em relação a esse grupo de ações de qualidade, assim como aquelas que apresentam alta eficiência operacional como uma extensão.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Marcelo Claure se torna sócio de empresa de investimentos em tech Hedosophia